Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 02
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Capa: Rosqueamento Seguro
28/02/2007 10h57

Rosqueamento Seguro

Sistemas de travamento e vedação de roscas solucionam problemas em vários setores industriais e contribuem para a qualidade do produto final e da manutenção de componentes
A história dos elementos de fixação que utilizam a rosca como sistema de transformação e multipli­cação de forças apresenta várias versões, apesar de terem pontos em comum. Algumas evidências mostram que o desenvolvimento da rosca foi muito anterior à in­venção do parafuso - este, cerca de 400 a. C.
Por outro lado, por volta de 250 a.C., Archimedes teria usado o princípio de rosca ao redor de um eixo para inven­tar um mecanismo capaz de levar água do rio para planos mais altos. Este sistema, uma rosca ao redor de um eixo, foi bastante aplicado em prensas de extração de óleo, em 100 a.C. Há pouca informação sobre o uso de roscas como elementos de fixação até a época do Renascimento. Com a ”Revolução Industrial”, que começou com a criação do motor a vapor por James Watt, em 1765, os parafusos passaram a ser adotados em mecanismos e, conseqüentemente, apareceram os primeiros sistemas de travamento. A solução definitiva surgiu com o desen­volvimento da tecnologia Loctite, nos anos 50.
Atualmente, o parafuso aplicado em mecanismos manu­faturados utiliza a rosca de perfil triangular e, quando montados em furos previamente roscados ou porcas, para fixar componentes, com a correta projeção e aperto, estes parafusos não deveriam se soltar. Mas, pode haver perda de pré-carga por amassamento das áreas de apoio, alongamento permanente do parafuso ou dos fios de ros­ca da porca, provocando auto-soltura. Isso normalmente ocorre se a montagem sofrer cargas de trabalho dinâmicas (movimentos) e/ou vibrações. Assim, há a necessidade de travar os parafusos, ou seja, aplicar tecnologias que evitem ou retardem a auto-soltura, em todas as montagens onde isso não pode acontecer.
Sistemas
De acordo com Roberto Aquati, gerente industrial da Nylok Tecnologia em Fixação, hoje existem dois siste­mas de travamento: de “giro livre” e com “torque preva­lente”. Podem ser citados como exemplos de travamento de giro livre, arruelas de pressão, arruelas molas-prato, arruelas dentadas, arruelas elásticas, flanges elásticas lisas, flanges elásticas com ressaltos e adesi­vos químicos. “No caso do sistema de giro livre, o tra­vamento é feito da superfície de apoio do parafuso ou da porca e só começa a ser efetivo quando o parafuso for apertado e as superfícies de apoio forem coloca­das em forte contato. Ele cessa quando as superfícies de apoio perdem o conta­to. O sistema recebe esta denominação porque o parafuso ou porca não sofre nenhuma restrição ao seu movimento durante a montagem.”
No sistema com torque prevalente, o travamento é feito na rosca do parafuso ou da porca e o dispositivo restringe o movimento, criando a necessidade de um torque para movimentar o parafuso ou a porca. Este processo ainda ofe­rece um torque residual após o desaperto da fixação, restrin-gindo a soltura do parafuso ou da porca. São exemplos de sistemas com torque preva­lente, roscas de interferência, porcas deformadas, adesivos químicos micro-encapsulados e aditivos não-metálicos.
Em adesivos químicos micro-en­capsulados são usadas resinas acrílicas, resinas epóxi e peróxidos. Em travantes não-metálicos, é utilizado o nylon.“As indústrias que mais empregam os sistemas de travamento são: automotiva, agrícola, aeroespacial, moveleira, na­val, eletroeletrônica, de construção civil, bicicletas e de máquinas. As indústrias de torres de transmissão de energia elétrica e de telecomunicações também estão iniciando o uso desta tecnologia”, afirma Aquati.
A Nylok Tecnologia em Fixação é especializada na aplicação de sistemas de travamento/vedação mecânico e químico, assim como de máscaras em teflon contra tinta e respingos de solda em fixadores. A empresa dispõe de travamento mecânico com patch em nylon (Nylok Patch® ou Tuf Lok® da Nylok Corporation, USA); adesivos químicos micro-encapsulados (Scotch Grip®, fornecido pela 3M-USA); Precote®, da OmniTechnik-Alemanha; Driloc®, da Henkel (Loctite-USA); e máscaras contra tinta e respingos de solda na rosca de parafusos e porcas (Nycote® da Nylok Cor­poration-USA).
Outra empresa que atua neste setor é a Three Bond, multinacional japonesa que está no Brasil desde 1974. A com­panhia oferece ao mercado uma linha de produtos para adesão, travamento, fixação e vedação, que atendem diversos segmentos, entre eles, automotivo e eletroeletrônico. Além dos anaeróbicos para parafusos, roscas, prisioneiros e peças lisas, possui uma Divisão de Micro-Encapsulados (MEC). Os adesivos MEC são pré-aplicados nos parafusos e apresentam elementos de fixa­ção auto-travantes - acrílicos anaeróbicos e o epóxis bicomponentes. Estes produtos são colocados em torno das roscas dos para­fusos sob uma forma inerte e não pegajosa. A ativação dos produtos rea-gentes ocorre com a rup­tura das micro-cápsulas na ação de aperto, durante a montagem. Assim, o adesivo é liberado nos flancos da rosca e ao re­dor deles e inicia-se o processo de cura, produzindo a força de coesão que trava e veda.
Consumidor final
A Henkel, detentora da marca Loctite®, possui uma linha de travas químicas de alta, média e baixa resistência, que podem ser utilizadas em todas as superfícies roscadas (porcas, parafusos e prisioneiros, entre outros componentes) e es­tão disponíveis para o consumi­dor final. O gerente do Centro de Enge-nharia Loctite® Mercosul, Gui-lherme Andrade, afirma que os produtos solucionam problemas de afrouxamento, oferecem lu­brificação no momento da mon­tagem e proporcionam vedação entre as partes (porca e parafuso), garantindo maior eficiência nas manutenções posteriores. A desmontagem dos conjuntos com as travas químicas Loctite® é efetuada com ferramentas convencionais. Entre as tecnologias da Loctite®, um dos destaques é a linha para uso automotivo. Desde 1995, a equipe McLaren de Fórmula 1 utiliza os produtos da marca em seus carros de competição. A americana Loctite®, apresentada oficial­mente em 1956, foi adquirida pela alemã Henkel, em 1997. A empresa está no País há mais de 50 anos
 
 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com