Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 87
Busca::..
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
15/06/2021 05h08

Editorial

Produção automotiva brasileira caiu 32% em 2020

Segunda maior queda entre as 20 maiores nações fabricantes de autos, o país estimava produzir mais de 3 milhões de unidades

Após a recessão 2015-2016, os últimos 3 anos vinham sendo marcados pela recuperação econômica do Brasil que, infelizmente, foi interrompida por aquilo que todos sabem.

É sabido que o setor automotivo é uma das alavancas da fabricação de fixadores, e nesse setor o país até que vivia bom momento, algo que durou até o primeiro trimestre de 2020. Ainda em 2019 a produção nacional chegou a 2.984.988 veículos, um aumento de 2,2% comparado a 2018. Vale lembrar que não estamos considerando aqui o segmento de motocicletas.

Em porcentagem, o resultado brasileiro de 2019 foi o melhor entre as 20 principais nações produtoras de autos, das quais 17 delas faziam parte de um “clube do milhão”, ou seja, as que produzem acima de um milhão de carros ano a ano. Nesse clube do milhão, o Brasil caiu para 15º no ano passado.

Voltando ao início de 2020, todas as perspectivas apontavam para, finalmente, o Brasil superar 3 milhões de unidades, se aproximando do resultado de 2014, que foi de 3.146.386.

Não é novidade que todas as demais nações tiveram fortes quedas no ano que se foi, caso da China (1ª no Top 20), que teve desempenho de -2% (25.225.242 unidades), enquanto o melhor percentual foi do Irã (18ª), de 7% (880.997 unidades). Os piores resultados ficaram com Brasil (9ª), -32%; e Indonésia (20ª), -46% (691.286 unidades).

Na conclusão desta edição, a produção automotiva nacional fechava o ciclo janeiro-abril com 788.680 unidades, uma elevação surreal de mais de 34% sobre os 587.742 veículos produzidos comparado ao mesmo quadrimestre passado, que teve um abril catastrófico, com apenas “1,8 mil carrinhos montados”.

 
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com