Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 87
Busca::..
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
15/06/2021 05h39

Entrevista

Sergio Lucas, diretor de operações do Grupo Belenus

Executivo aborda atualidades e os avanços do grupo, especialmente após alcançar a maior capacidade produtiva entre as fabricantes de fixadores em operação no Brasil

Sergio Lucas e João Marcos Lucas

Indústria de fixadores fundada e presidida por João Marcos Lucas, empresário oriundo da revenda de fixadores, a Belenus tem uma trajetória meteórica em seus quase vinte anos de atividades. Nesta entrevista com seu diretor de operações, Sergio Lucas, destacamos o mais recente avanço da empresa após substancial aquisição de máquinas no ano passado, o que a elevou ao 1º lugar em capacidade produtiva entre as indústrias de fixadores no Brasil. 

Com destaques para 13 máquinas Sacma (Itália) e 5 National Machinery (EUA), esses dois modelos – top de linha em se tratando de conformação a frio seriada – foram destinadas para a produção de fixadores em bitolas ente M6 e M20. Assim, sua capacidade produtiva para fabricar parafusos, porcas e similares, standards e itens especiais, saltou para 8 mil toneladas, 2 mil toneladas a mais que a anterior. Muito além de parafusos e afins, a Belenus é um grupo. Há tempos suas atividades se dividem com uma grande divisão comercial dedicada à distribuição de mais de 15.000 itens, composto de produtos de diversas outras marcas, para uso nos setores de material de construção, além de outros itens relevantes como ferragens, ferramentas e diversas peças e equipamentos. Também fazem parte dessa divisão marcas próprias do Grupo, tal como a BelEnergy, de produtos fotovoltaicos; a BelFit, de mangueiras e terminais hidráulicos; BelLift, produtos para movimentações de cargas; Beltools, linhas de ferragens e ferramentas.

RP - Em nossa entrevista de junho de 2011 (edição RP29) o Grupo faturava por ano R$ 315 milhões; a fábrica tinha 36 mil m² de área construída, num total de 150 mil m². Pode atualizar esses dados?

Sergio Lucas - Ocupamos aproximadamente 120 mil m² de área construída, sendo 60 mil m² em área fabril e 60 mil m² entre os centros de distribuição e escritórios, num total de 400 mil m² de terrenos. Com o significativo aumento nos volumes produzidos, a inflação do período e a entrada de novas unidades de negócios, para este ano projetamos ultrapassar R$ 1,5 bilhão de faturamento.

Em números gerais, qual é o panorama atual em colaboradores diretos e indiretos – entre os centros de distribuição, fábricas, as unidades RS, ES e PE – volumes de produtos movimentados etc.?

São 1,6 mil colaboradores diretos e outros 400 entre representantes e terceirizados. Temos 600 funcionários na fábrica, 50 no RS, 50 no ES, dez no PE e os demais divididos nos três CDs de Vinhedo, SP. Movimentamos, em média, 6 mil toneladas mensalmente.

Fabricar ou revender? O que ao longo desses 20 anos valeu mais fazer?

A Belenus nasceu com “DNA comercial” e acreditamos que este ainda seja nosso grande diferencial. Iniciamos a fabricação para um melhor atendimento aos clientes e, ao longo desse tempo, aprimoramos a estrutura fabril com equipamentos muito modernos. Revender produtos foi a base do nosso crescimento, mas, certamente, não teríamos alcançado o atual patamar sem os investimentos efetuados na produção interna.

Qual o percentual entre fixadores produzidos e importados? Isso se dá somente pelo câmbio, ou o que se faz aqui e o que se evita fazer, tal como em inox?

Planta industrial da Belenus, em Vinhedo, SP

Produzimos internamente aproximadamente 80% do volume de fixadores comercializados. Priorizamos ao máximo a fabricação própria e importamos produtos para os quais ainda não dispomos dos equipamentos mais adequados, ou que sejam economicamente inviáveis de serem produzidos no Brasil.

Fixadores representavam 75% do business, com o restante para as outras divisões e marcas próprias. Isso mudou?

Com a inclusão das novas unidades de negócio ocorreu uma redução natural da participação total dos fixadores no business Belenus. Hoje, eles representam algo em torno de 60% dos negócios, mas, até por uma questão de afinidade, demandam 90% de nosso foco e dedicação.

Após a vultuosa aquisição de máquinas em 2020, o que vem aí? Haverá uma expansão para setores como o automotivo e autopeças, expansão?

O mercado externo já é realidade para nós, com exportações em expansão para países da América do Sul. Não temos planos para entrada ou atuação em mercados específicos. Com a aquisição desses equipamentos objetivamos substituir a importação de produtos, ampliar a disponibilidade de estoque, melhor atender o mercado e, consequentemente, incrementar os volumes de vendas. Possuímos muita afi nidade com a rede de revendedores, e neste segmento é que buscamos a principal fonte de crescimento.

O que o mercado ainda não sabe sobre a Belenus?

Para complementar a compra das prensas efetuadas do ano passado, até o final de 2021 investiremos mais de R$ 100 milhões na estrutura fabril, na armazenagem e no escoamento dos produtos. Estão no foco os fornos de tratamento térmico, as linhas de zincagem, preparação de matéria prima, construção de um novo centro de distribuição – ao lado da planta industrial na cidade de Vinhedo, SP – ampliação dos transelevadores, automatização da expedição etc.

Em julho de 2022 a Belenus completará 20 anos. O que podemos esperar de impactante daqui por diante?

Podemos garantir que nossos planos futuros são ousados. Para não estragarmos as surpresas discorreremos sobre eles em outras oportunidades.

Sergio Lucas

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com