Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 08
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial: Sérgio Milatias
28/02/2008 12h00

Vou começar falando de alguns números. A Abraciclo (Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e similares) divulgou que o mercado de motocicletas deve atingir a produção de 1,94 milhão de unidades em 2008. Multiplicando esse número por 400, média de parafusos e similares por motocicleta, chegaremos a uma produção anual de 776 milhões de elementos de fixação, apenas para o segmento duas rodas. Isso mostra que não importa a área, a indústria parafuseira cresce na mesma medida que a economia, que o País, já que ela está presente em quase todos os setores produtivos. E não pára por ai.

Saindo do exemplo prático, aquele que para nós chega a ser obvio, podemos ver o parafuso nos lugares mais inusitados. Só para exemplificar, na edição de dezembro2006/janeiro2007, publicamos uma matéria que destacou o elemento de fixação como um componente de arte, inserido nas obras do artista plástico paulistano, Cláudio Tozzi. As obras vão desde esculturas até quadros, como visto na imagem que ilustra a capa desta edição, gentilmente fornecida pelo artista. A produção de parafusos e afins move um mercado que gera milhares de empregos, grandes negócios e abrange empresas, como a Belenus, que nos surpreendeu por sua inovadora estratégia de divulgação.
Você verá que o que ela fez não é novo em outros segmentos, mas no parafuseiro é inédito, não pelas ações que englobam a construção de uma nova fábrica, o que é importantíssimo para o setor, assim como a modernização do centro logístico, mas pela implantação de um cartão de vantagens, criado em parceria com a Caixa Econômica Federal e a Mastercard. O sistema, além de alavancar negócios em volumes, facilita a vida de pequenos comerciantes, ou seja, o micro e o pequeno que é a regra e não a exceção na economia brasileira. Outro assunto que podemos também chamar de inovador, é a utilização de mão de obra feminina na área de produção da indústria de parafusos Usistamp. Lá as mulheres passaram a ocupar posições antes de domínio restrito masculino. Fomos ver de perto e trazemos para vocês um pouco deste pioneirismo.
Você poderá, ainda, acompanhar a segunda parte do curso de Torque e Processos de Torque, autoria de Roberto Garcia, além da primeira parte do artigo Fragilização por hidrogênio. Entrevistamos um entusiasmado jovem de 25 anos, gerente comercial de uma das mais tradicionais empresas do setor, a Micheletto. Queremos manifestar mais uma vez a nossa gratidão aos nossos colaboradores, anunciantes e assinantes que nos acompanham e auxiliam na produção de uma revista com conteúdo cada vez mais próximo das necessidades do setor. E é esse o objetivo: informá-los.
Tenham uma ótima leitura!
Sérgio Milatías
milatias@revistadoparafuso.com.br
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com