Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 93
Busca::..
Edição 93
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Especial
07/06/2022 08h42

Especial

Impactos da guerra Rússia vs. Ucrânia na indústria de fixadores

Juntas, as duas nações produzem 50 milhões de toneladas de aço por ano

Primeiramente, observemos a desaceleração da indústria manufatureira devido à pandemia, a paralização das feiras de negócios, crise dos chips, inflação, o antidumping da União Europeia sobre fixadores Made in China e a guerra Rússia vs. Ucrânia. Tudo isso continua afetando fortemente o setor de fixadores. (Foto - Ali Baysal)

Problemas na produção de ferro e aço e aumento dos preços de energia afetam a todos seriamente, tanto é que o fornecimento de arames em alguns países tem tido episódios dramáticos, com a guerra em curso abalando continuamente.

Dois dos maiores fabricantes globais de ferro, aço e alumínio, as duas nações em conflito têm impactado, também, na produção de outras matérias-primas. Notícias sobre o cerco russo na cidade portuária Mariupol, Ucrânia, indica mais problemas na produção global de metais. Com instalações na cidade atacada, afirma-se que a Azovstal, maior fábrica de ferro e aço da Europa, recebeu um duro golpe resultante do bombardeio russo. Siderúrgica com capacidade produtiva de aço bruto em 5,3 milhões de toneladas/ano, a Azovstal possui cinco altos-fornos e dois fornos de oxigênio de 350 toneladas.

Por outro lado, a Ucrânia respondeu em 2021 pela produção de 21,4 milhões de toneladas de aço bruto. Avaliando os efeitos da guerra em termos de comércio de aço, esses países em guerra são responsáveis, em condições normais, por uma exportação aproximada de 50 milhões de toneladas/ano, 1/3 da Ucrânia e 2/3 da Rússia. Incapacidade em abastecer os mercados aço neste momento leva a uma diminuição significativa na oferta de aço no mundo, provocando seu aumento. Podemos resumir os outros problemas que causam aumentos de preços da seguinte forma:

• Aumentos nos preços de commodities, como minério e carvão;

• Aumento nos preços da sucata devido à diminuição da oferta de sucata na Rússia, que é um dos principais players no fornecimento de sucata para o mundo, e até mesmo dificuldades em encontrar sucata para importação;

• Aumento dos custos de energia e dependência do gás natural russo;

• Os planos da Europa para reduzir o gás natural e retornar ao carvão como energia;

• Aumento dos custos logísticos.

Devido à essas incertezas, fica quase impossível aos fabricantes controlarem os custos dos insumos. Portanto, pode ser benéfico não fazer ofertas de longo prazo, tomar medidas contra aumentos em dólares e não assumir compromissos de longo prazo.

Ali Baysal
Presidente e Editor-Chefe da Fastener Eurásia Magazine. alibaysal@fastenereursaia.com  
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com