Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 93
Busca::..
Edição 93
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
07/06/2022 08h33

Editorial 

Nossas cascas de bananas

Tomando como base dados do FMI, em nível nacional o futuro não é promissor

Para se ter uma ideia do quanto se cresce de maneira desigual no Brasil, tomemos como exemplo a compra de um ingresso para um jogo de futebol, ocorrido às vésperas da viagem para cobrir a Wire Düsseldorf, em 2018 na Alemanha. Aliás, de malas prontas, traremos o melhor da Wire em nossa próxima edição.

Voltando, na ocasião fui ao estádio de um time da capital paulistana, com um ingresso a R$ 120,00. Semifi nal, era apenas um jogo do “campeonato estadual”, numa quarta-feira. A renda daquela noite foi de R$ 1,5 milhão entre 25 mil pagantes.

Do outro lado, no “campeonato nacional”, um time do Nordeste da Serie-A anunciava R$ 39,90 por mês para assistir todos os jogos em seu estádio durante o ano. Pequena amostra do abismo entre regiões brasileiras, obviamente, essa diferença não se limita ao futebol.

Como neste ano, o Brasil deve crescer só 0,8%, então podemos entender que algumas regiões do país estão ainda mais abaixo desse crescimento muito baixo.

Em artigo na Folha de S. Paulo em 30/04/2022, Samuel Pessoa apresentou um quadro do FMI, reproduzido aqui, que demonstra um Brasil muito aquém das perspectivas de crescimento até 2027, abaixo inclusive dos países do G7. E o mais surpreendente é que comparado aos países ricos, eles não têm as enormes oportunidades de infraestrutura que temos aqui.

Portanto, chances temos, mas a baixa prosperidade é um problema todo nosso, pois, não só não usamos a infraestrutura como grande oportunidade - a começar por tapar os buracos das vias - como cobrimos nosso chão com cascas de bananas, para nelas pisarmos e continuarmos caindo.

Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com