Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 93
Busca::..
Edição 93
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
07/06/2022 08h37

Persona

Não faltou aço

Instabilidade no abastecimento cede lugar ao aumento do preço

Neste mesmo espaço, um ano atrás abordei o tema “Falta aço ou não?”. Na ocasião ainda estávamos sob a escuridão quanto ao fim da pandemia, que teve início em março de 2020, um período que começou devastando toda estrutura econômica no Brasil e no mundo. Na Jomarca, enfrentamos quedas de 50% em pedidos. O que se via era uma “intensa luz negra no fim do túnel”.

Felizmente, a sociedade e a economia se reorganizaram, e aqui estamos. Mas, não dá para passar aqui sem deixar uma palavra de solidariedade para aqueles que perderam amigos e entes queridos.

Voltando ao aço em 2021, o cenário ainda era de escassez por diversos fatos, como as robustas e inesperadas demandas por matérias-primas, oriundas de empresas como as fábricas de parafusos e afins. Já as demandas por parafusos, vindas de indústrias como as de móveis e outras coisas do lar, foram fomentadas pelo isolamento social em massa. Ao mesmo tempo, “na escuridão”, as aciarias foram pegas de surpresa, também, com capacidade produtiva reduzida e outras dificuldades e incertezas.

Agora, o cenário de escassez cede lugar ao aumento de preços. Tem aço, mas está caro. Ajustado em outubro passado, o mês de maio promete reajuste que deve fazer subir os preços entre 10%, 12% e 15% para alguns aços especiais. A pergunta no ar é se estamos às portas de ciclos constantes de aumento.

Por outro lado, as aciarias no Brasil estariam se focando em produzir itens mais voltados para construção civil. Somado a queda do dólar, o caminho parece nos levar à importação de aço. Mas é um jogo que ainda está sendo jogado.

Dr. Ricardo M. Castelhano
Advogado e CEO da Jomarca Industrial de Parafusos Ltda.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com