Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 85
Busca::..
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Balcão
19/02/2021 06h36

Balcão

Parafix completa 5 anos, numa cidade emancipada apenas em 1981

Gente jovem, empresa jovem numa jovem cidade

Arinaldo Silva e Ruam Silva, Fábio e Josiane Araújo, Geovanna Barbosa e Cleidiana Araújo

Juventude pode ser a palavra de ordem em Açailândia, já que falamos de uma cidade que alcançará 40 anos de emancipação apenas em junho deste 2021. Com cerca 113 mil habitantes (dados do IBGE), há 560 km da capital do estado do Maranhão, São Luiz, essa cidade já foi tema de reportagem especial na Revista Veja, que trazia como título “As 20 Metrópoles Brasileiras do Futuro”.

Açailândia é a sede da revenda Parafix Parafusos e Ferramentas Ltda., fundada por Fábio Gomes Araújo e Josiane, sua esposa. Antes de criar a empresa, Araújo relata ter passado mais de 15 anos numa revenda de parafusos na cidade de Imperatriz, há 72 km de Açailândia, desempenhando funções de office boy, balconista até chegar ao cargo de gerente comercial.

“A criação da Parafix começou quando o proprietário de uma loja, em Açailândia, me procurou oferecendo um estoque, pois, ele estava passando por dificuldades financeiras. Ele iria pagar uma comissão se eu conseguisse vender tudo que restava. Porém, quando fui ver todo o material também vi que a loja tinha uma ótima localização, numa cidade de ótimo potencial e com economia baseada na indústria de ferro gusa, além do agronegócio crescendo ano a ano. Presumi que loja precisava, apenas ter uma administração com uma visão de mercado mais atualizada. Assim começamos, embora no início de janeiro de 2015 a recessão já se agravava, e tudo indicava que era o pior cenário para sair de um emprego de 15 anos e apostar num novo negócio, além de mudar para uma cidade menor de onde eu nasci e cresci profissionalmente”, relatou o empresário.

Araújo concedeu essa entrevista na mesma semana que completou o quinto ano de Parafix, num momento em que sua equipe é composta por seis pessoas, que lidam com cerca de cinco mil itens estocados entre parafusos e similares de marcas como Belenus, Metalbo, Fey e outras, além de ferramentas Gedore, Starret, Esab, Magma Soldas e Metalúrgica São Rafael.

Segundo ele, a vocação regional que sustenta o seu negócio orbita basicamente em três setores: agronegócio, indústria siderúrgica, máquinas e prestação de serviços, principalmente, entre as cidade de Açailândia e Imperatriz, Bom Jesus das Selvas, Buriticupu, Cidelândia e Itinga.

Parafix Parafusos e Ferramentas Ltda.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com