Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 85
Busca::..
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Itália News
19/02/2021 08h43

Itália News

Qual é o futuro do automóvel?

O parafuso do automóvel é atávico

Enquanto o automóvel não pode existir sem fixadores, inversamente parafusos e similares devem muito de sua evolução técnica aos progressos da dinâmica de design dos carros ao longo do tempo.

A indústria automotiva é muito importante para a indústria de fixadores tanto em termos de consumo – com média de 20 kg de fixadores por automóvel - quanto na qualidade do produto. A maioria dos fixadores utilizados na fabricação de automóveis são especiais, portanto, tecnologicamente muito avançados.

Hoje, porém, a indústria automotiva vive um período de grande incerteza. A questão lógica é, portanto: “Qual é o futuro do setor automotivo?”

Muitos cenários estão se abrindo e todos eles são perturbadores. O primeiro cenário está associado à Covid-19, que se mostra mais prejudicial do que a crise de 2008-2009, que fez o mercado perder 15%, voltando ao positivo no ano seguinte. Hoje, devido à pandemia, o mercado automotivo europeu está em colapso.

Tais efeitos, no entanto, são claros se observar as porcentagens negativas no período mais crítico da pandemia, ou seja, em abril de 2020, se comparado ao mesmo período em 2019.

Uma análise da queda das vendas nos países europeus mostra maior consistência onde o confi namento foi mais severo. No relatório da ANFIA (associação italiana da indústria automotiva) o presidente, Paolo Scudieri, relatou que nos primeiros oito meses de 2020 o mercado automotivo europeu perdeu 2,67 milhões de unidades.

Em agosto, mês com volumes tradicionalmente baixos, a queda foi novamente mais expressiva (-17,6%), embora não nos níveis dos meses anteriores (junho fechou em -24%).

O boletim ANIA afirma que o total de registros na Itália em julho foi de 113.653 unidades (-10,9%), enquanto em agosto foram 88.801 unidades (-0,4%). 

Nos oito meses iniciais de 2020 o total somou 809.655 unidades, -38,9% em relação ao mesmo período de 2019. A análise do mercado automotivo italiano por tipo de combustível é muito interessante, mais uma vez de acordo com os dados divulgados pela ANFIA. Cumulativamente, desde o início de 2020, a participação de carros novos a diesel é de 35%, com registros de 48,5% abaixo, enquanto a participação de carros a gasolina é de 42% com volumes abaixo de 42% entre janeiro a agosto.

Os carros movidos a combustíveis alternativos representaram 23% do total de registros, uma queda de 4%. Em particular, os carros movidos a gás diminuíram 41%, enquanto os carros elétricos (BEV - Battery Electric Vehicle) aumentaram 106%, híbridos plug-in 200% e híbridos à gasolina não recarregáveis 30% e diesel não recarregáveis híbridos em 78%. Os veículos elétricos, como um todo, representaram 14% do mercado no período de janeiro a agosto de 2020. Além das tendências de mercado, é importante destacar que, com o advento da pandemia, a noção de mobilidade também está mudando.

Devido ao perigo de contrair o vírus, principalmente nas grandes cidades, cada vez mais pessoas preferem usar carros particulares em vez de transporte público. Essa escolha deve, portanto, levar a um aumento no mercado de automóveis. Por outro lado, porém, deve-se considerar que, principalmente nas grandes cidades, o impedimento para o uso de automóveis de passageiros é a crônica falta de estacionamento e a dificuldade de circulação.

Infelizmente, nos últimos anos, muitas cidades italianas se desenvolveram sem nenhuma consideração à existência do carro. Além disso, a alta concentração de carros causa outra desvantagem, ou seja, a poluição. Isso não deve apenas tornar as autoridades mais responsáveis, mas também as grandes empresas. Eles devem agilizar a implementação de seus programas de sustentabilidade para atender às expectativas dos consumidores. Desnecessário dizer que as sensibilidades e os comportamentos das pessoas podem mudar radical e muito rapidamente sob a influência dos eventos.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com