Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 77
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
10/10/2019 02h47

Persona 

Qual o impacto da disputa comercial China x EUA para o Brasil?

O Brasil de Bolsonaro tenta maior aproximação com os Estados Unidos de Trump, mas a China de Jinping compra o dobro das exportações brasileiras, em comparação com as compras norte-americana

O mundo tem assistido, com certa apreensão, a uma “guerra comercial” entre China e Estados Unidos (EUA), onde ambos países têm apresentado sanções e aumentos de taxas respectivamente, numa queda-de-braço instigante e ameaçadora ao equilíbrio da economia mundial, com efeitos diretos nas bolsas de valores e nas flutuações de moedas em paridade como dólar. (Foto - Airi Zanini)

Não defendemos este ou aquele lado, mas gostaria de apresentar nossa visão de como esse movimento de aproximação que Bolsonaro vem conduzindo, pode acarretar vantagens e desvantagens à nossa combalida economia, que necessita de impulso pujante para recuperar os muitos anos perdidos em priorizações políticas que nos afastaram de importantes mercados de comércio mundial.

Sem emoções partidárias e em fria análise de números, a evolução das exportações brasileiras para os dois mais importantes parceiros do Brasil, nos últimos 10 anos, assim se comportaram:

Enquanto as exportações aos EUA vêm se mantendo razoavelmente estáveis, as vendas à China vêm apresentando crescimento importante, superando as vendas aos EUA, atingindo o impressionante fator de 2,2 vezes em 2018.

É certo que exportamos à China produtos mais primários, com baixa adição de valor (soja, açúcar, milho etc.) enquanto os produtos destinados aos EUA concentram valor agregado mais significativo (óleo bruto, semimanufaturados de ferro e aço, aviões etc.), mas o valor absoluto das vendas não deixa dúvidas: China é, desde 2009, nosso maior cliente.

Assistindo essa disputa entre nossos maiores compradores, percebemos vantagens e “perigos”:
Vantagens principais (entre muitas outras particularidades):
• Maior taxação entre os dois compradores permite posicionar melhor nossos produtos em comparação direta.
• EUA é o maior produtor de agro do mundo (seguido pelo Brasil) e, quando impõe maior imposto à China, conduz nossos preços para uma posição mais competitiva.

Principais “perigos” (entre tantas outras minúcias):
• A interdependência do sistema mundial de comércio exterior, onde o que cada país faz afeta os demais, cria uma balança difícil de controlar, quando nem todos os controles estão à mão de um único player.
• A imprevisibilidade dos avanços e retrocessos dessa perigosa gangorra podem criar armadilhas de negociações complexas e que vão exigir de nosso governo firmeza de propósito e assertividade, onde visões de mundo conflitantes não ajudam.

Cabe a nós, empresários e investidores brasileiros e internacionais, vigilância constante e força de princípios para enfrentar um mundo cada vez mais complexo e desafiador, enquanto mantemos a fé e a esperança de que o governo brasileiro consiga conduzir tais negociações com maestria e eficiência, evitando deslizar por tortuosos caminhos de pensamento ideológico, seja de direita ou de esquerda. E, que Deus nos proteja!

Airi Zanini
Diretor da Associação Brasileira de Tratamentos de Superfície (ABTS) e diretor geral da MacDermid South America
airi.zanini@macdermid.com

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com