Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 77
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Eventos - Concrete
10/10/2019 04h24

Eventos 

“Concrete, a modest show”


A edição 2019 da Concrete Show South America teve uma edição modesta se pensarmos na importância do cimento e concreto

O Cimento surgiu há cerca de 4500 anos, mas não era exatamente como o que existe hoje. Registros na Grécia e Roma antiga indicam que era uma mistura de materiais feito de gesso calcinado, como aglomerante, aplicados entre pedras naturais usadas nas construções. Caementu era o termo latim de referência a este material.

Já o cimento artificial é de 1786, criado pelo inglês John Smeaton (1724 - 1792). Mas quem patenteou foi outro inglês, Joseph Aspdin (1778 -1855), em 1824, sob o nome “Portland cement”, referência a uma pedra arenosa vinda da região de Portland, Inglaterra, usada em construções.

Desde então, o cimento foi se sofisticando, originando o concreto, uma “mistureba” entre água, cimento e agregados. Juntos, eles solidificam a base da construção civil e também da Concrete Show South America, feira do segmento, realizada entre 14-16/agosto 2019, no pavilhão Imigrantes, São Paulo, SP.

Esse espaço também foi ocupado por serviços e produtos periféricos, incluindo metais estruturais, itens químicos e outros, como parafusos, barras roscadas e chumbadores.

Tomando como base o bom desempenho de outras feiras de negócios 2109, a Concrete Show 2019 não foi assim “tão show”. Empreiteiras ainda muito encrencadas com a Justiça e obras de infraestrutura à espera de retomada devem ter refletido nesse resultado, o que torna muito, muito ingrato o empenho dos organizadores em trazer mais expositores. Quem sabe na próxima, em 19-21 agosto de 2020. Boa leitura!

AVB – Aço Verde do Brasil (fio-máquina)


Sediada em Açailândia, no Maranhão, a AVB é uma nova fabricante de aços longo, tal como fio-máquina e vergalhão.
“Já atuávamos na venda de tarugos de aço, mas desde 2018 iniciamos a fabricação das linhas de fio-máquina, em bitolas de 5,5 mm a 16 mm. Em breve teremos opções até 20 mm. O fio-máquina AVB se destina para empresas de trefilação e fabricantes de parafusos, porcas e rebites, arames para lã de aço, eletrodos e solda MIG, além do seu uso na fabricação de molas helicoidais e esferas de rolamentos. Outro destaque na feira ficou por conta do vergalhão de aço CA50, produzido a partir do aço 1030. Em outubro a empresa promete colocar no mercado o vergalhão CA60, nas bitolas 4.2 e 5, para construtoras e fabricantes de postes. No total, a AVB produz 38 mil toneladas de aço/mês”, relatou Camila Amaral, do departamento comercial AVB.
(foto - Camila Amaral)

Walsywa – Fixação para Construção Cívil


Há 55 anos fornecendo sistemas de fixação para diversos ramos da construção civil, nessa feira a Walsywa destacou itens específicos para uso em áreas concretadas, além de fixadores químicos, itens para drywall e steel-frame.
Dentre as novidades estava o Steel Bolt, um chumbador estrutural aplicável em seções ocas estruturais (Structural Hollow Section - SHS). Steel Bolt também é utilizável em estruturas metálicas, especialmente em pontos onde o chumbador fica restrito a apenas uma das faces da estrutura.
(Foto - Rodrigo Bertinato, gerente comercial, com a DTR 35 e Any Felizardo com o Steel Bolt)

Outro destaque foi a DTR 35, uma pistola de fixação, com a pólvora aplicada no próprio pino. Inovadora, a DTR 35 permite fixação de pinos previamente montados com arames ou barras roscadas, instalados em tetos de concreto ou de estruturas de metal situados em áreas muito altas. Este equipamento reduz ou pode até eliminar o uso de escadas e andaimes. Além disso, suas operações são muito rápidas e silenciosas.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com