Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 69
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
22/05/2018 02h57

Entrevista

Presidente do Taiwan External Trade Development Council – Taitra  

A Revista do Parafuso participou da coletiva de imprensa dedicada aos materiais das áreas   da mecânica e da fixação em geral, incluindo o encontro com o sereno Walter Yeh  

Já escrevemos nesta RP sobre o dinamismo de Taiwan, nação asiática povoava por 23 milhões de pessoas, território 25% maior que o estado de Alagoas e renda per capita de US$ 31 mil/ano (EUA - US$ 54 mil; Brasil - US$ 11 mil). Parte desta realidade vem sendo alcançada por diversos fatores, incluindo as ações do Taitra, entidade criada em 1970, juntando as iniciais de Taiwan (país) e Trade (comércio em inglês).

Oficialmente, o Taitra se chama Taiwan External Trade Development Council, sendo a principal organização de fomento da indústria e comércio local, mantida pelo Governo e demais organizações setoriais, atuando na promoção e orientação das empresas locais para que essas busquem ou aprimorem alcance global. Com “quartel general” em Taipei, a entidade opera com cerca de 1.300 especialistas entre cinco escritórios locais, além de 61 filiais em todo o mundo, incluindo o Taiwan Trade Center do Brasil, na cidade de São Paulo, sua única unidade neste continente.

Abaixo, publicamos um pouco do que conversamos com Walter Yeh, o atual chairman do Taitra, num encontro com diversos sotaques, como o britânico do jornalista Will Lowry, seguido de versões com tons bem variados da língua consagrada universalmente há séculos pelo compatriota e xará do Will, de sobrenome “Shakespeare”. No centro, o sotaque chinês do nosso anfitrião e sereno entrevistado, acompanhado dos colegas da Germânia, Itália, Polônia, Rússia, Turquia, além dos “hermanos cucaracha” do México e Brasil, Alejandro Galindo e Sergio Milatias. 良好的阅读!; Gute Lektüre!; Buona lettura!; Świetna lektura!; Хорошее чтение!; Iyi okuma!; Buena Lectura!; Boa leitura!  

Fale sobre a indústria de fixadores de Taiwan?

Temos cerca de 1450 indústrias de fixadores, com 30 mil funcionários e 90% de sua produção exportada, sendo 70% do total entre EUA e Europa. * Em 2017 essa exportação alcançou US$ 4.3 bilhões (13% a mais que 2016) com 1,59 milhão de toneladas (4% a mais que 2016). Neste mesmo período, a importação de fixadores foi US$ 137,68 milhões (0,2% a mais que 2016), um total de 18.847 toneladas (declínio anual de 6,8%).

E quanto isso representa na economia taiwanesa?

*Todas as nossas exportações em 2017 foram de US$ 317,4 bilhões, levando fixadores a representarem 1,4%. As exportações de metais básicos e seus produtos alcançaram US$ 29 bilhões, representando 9%.

*Há uma pequena divergência de dados desses números com a página 20 (Ásia News).

Qual é importância do Taiwan Fastener Show?

Taiwan é um dos maiores produtores mundial de fixadores, o que lhe dá a reputação de "Reino dos Parafusos".

O aglomerado industrial no entorno da cidade de Kaohsiung, sul do País e local da feira, é conhecido mundialmente como uma base de produção de mais de seis décadas, robusta em todas as etapas produtivas, da matéria prima até a expedição e exportação. Em nosso Fastener Show mostramos o melhor em toda essa estrutura, capacitada a fornecer aos demais países soluções completas. Em fi xadores, esta é a segunda maior feira da Ásia e a terceira no mundo, e a 5ª edição será recorde, com 417 expositores, 1.108 estandes e quase 20.000 metros quadrados de espaço de exposição para uma estimativa de 10.000 compradores. O evento é acompanhado do encontro de líderes "Summit Global Fasteners", seminários e rodadas de negócios. Entre todos os eventos realizados aqui, no Kaohsiung Exhibition Center (KEC), o Fastener Show é maior e que usa quase todas as dependências.

Por que muitas das 1450 indústrias locais não estão na feira?

Embora apenas 366 delas sejam expositoras, essa lacuna pode estar ligada aos fabricantes engajados com produções de pequena escala, com o mercado regional e aqueles que pouco se promovem e se concentram apenas na fabricação e entrega a distribuidores.

Fale sobre a campanha promocional desta 5ª edição do Fastener Show.

Esta campanha não se concentrou apenas nos principais mercados de nossa exportação, como EUA, Alemanha, Holanda, Japão, Reino Unido, Canadá e Itália. Ela também se ateve ao mercados emergentes como Polônia, República Tcheca, Romênia, Turquia, países da ASEAN (composto pelas nações do Sudeste Asiático: Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Singapura, Tailândia e Vietnã), Índia e Indonésia. Além de anunciarmos em revistas especializadas do setor, também aprimoramos o marketing digital, como Google, Facebook, Twitter e YouTube. Os 10 maiores compradores estrangeiros de 2016 vieram da China, Japão, Estados Unidos, Índia, Alemanha, Malásia, Vietnã, Itália, Coréia do Sul e Reino Unido.

Como competir com a China e quais são suas virtudes?

O cluster industrial taiwanes sinergiza todas as faces das cadeias de suprimento relacionadas a fixadores, permitindo a esses produtos grande reputação global em sua pronta entrega, excelente qualidade e competitiva.

Em fevereiro de 2016, a União Europeia eliminou 85% dos direitos antidumping sobre produtos siderúrgicos chineses, resultando no ressurgimento da indústria de fixadores na China. Isso afetou as exportações de Taiwan. Segundo o Global Trade Atlas (GTA), o valor de nossas exportações de fixadores em 2015 foi de US $ 4,1 bilhões; em 2016, US$ 3,8 bilhões e 2017, US $ 4,3 bilhões. Desde 2017, o ímpeto de exportação de Taiwan se recuperou, com crescimento anual de 13%, bem superior aos 7% da China. Nosso preço médio de exportação é de US$ 2,7 p/kg, maior que os US$ 1,7 p/ kg da China, o que confirma a reputação taiwanesa de mais qualidade.

Qual é a situação geral econômica e industrial de Taiwan?

De acordo com o último relatório da National Statistics of Taiwan, a economia global está firme com previsão de crescimento em 3,3%, enquanto o FMI (Fundo Monetário Internacional) prevê que o volume do comércio global avance 4,6% e também supere a taxa de crescimento econômico global por dois anos consecutivos. Com a demanda emergente por novas aplicações tecnológicas - como a internet das coisas, eletrônica automotiva, computação de alto desempenho e aplicações de inteligência artificial - tudo isso deve apoiar o crescimento das exportações de Taiwan. Nosso PIB deverá crescer 2,42% em 2018, com uma taxa anual de inflação em 1,21%. Já no setor de fixadores, a previsão é de 15% de crescimento em 2018, de acordo com sua associação de fabricantes, TIFI (Taiwan Industrial Fastener Institute). 

 

Nosso PIB deverá crescer 2,42% em 2018, com uma taxa anual de inflação em 1,21%. Já no setor de fixadores, a previsão é de 15% de crescimento em 2018, de acordo com sua associação de fabricantes, TIFI (Taiwan Industrial Fastener Institute).  

Brexit, Donald Trump: como essas políticas podem afetar seu país como exportador?

EUA é o nosso maior cliente, com 38% das exportações. Não cremos que a guerra comercial entre EUA e China poderá trazer grandes impactos para nossa indústria.  

Walter Yeh
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com