Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 69
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
22/05/2018 02h54

Persona

 

Um lucro pra chamar de seu

Segundo o autor, pecado é não fazer as coisas do jeito certo  

 

Entre os maiores prazeres que a vida traz estão as coisas supérfluas, ou seja, tudo que é desnecessário e extravagante. Os ovos de chocolate são um bom exemplo. Penso assim porque este texto brotou na semana da Páscoa de 2018.

Os humanos são os únicos seres que criaram e desenvolveram, em complexidade, sistemas de acumulação, conservação e movimentação material, algo que se tornou fundamental para nossa sobrevivência e evolução constante.

A origem desses sistemas de armazenagem e sua gestão nasceram com as necessidades alimentares desde a pré-história, passando pelos primórdios da agricultura, mas se desenvolvendo intensamente na área militar, tendo hoje o nome de "logística", que é a metodologia que gera apoio em toda infraestrutura dos exércitos em relação à alimentação, ao transporte, armamentos e outros. Isso pode ser estudado em histórias sobre o general Alexandre III, da Macedônia (356 - 323 a.C.), "O Grande" inovador neste campo, vital no agronegócio e na indústria e comércio, seja de ovos de pascoa até parafusos.

Em resumo, o ato de acumular visa garantir a sobrevivência, mas quando se tem o excedente, ou seja, o que se sobra do acumulado chamamos de lucro. Resultante este de um bom trabalho, o lucro pode ser redirecionado para gerar mais acumulação e, por opção, ao caprichoso mundo dos supérfluos.

Observe que inocentemente estes atos de acumular, lucrar e desfrutar foram rotulados ao redor do mundo como "pecaminosos e imorais", mesmo tendo eles surgidos séculos antes da criação dessas "doutrinas moralizadoras". De maneira irresponsável, grupos de pessoas – muitas delas improdutivas e desprovidas de criatividade e boa vontade – conseguiram rotular negativamente o lucro. O contraditório é se combater e ao mesmo tempo cada um buscar, a sua maneira, um "lucro para chamar de seu".

Dr. Ricardo Castelhano
Advogado e diretor da Jomarca Industrial de Parafusos Ltda.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com