Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 69
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
22/05/2018 02h53

Editorial

Indústria e imprensa 4.0

Nurcan Donmez (Turquia), Marek Łangalis (Polônia), Ali Baysal(Turquia), Alejandro Galindo (México), Will Lowry (UK),Alexander Ostashov (Rússia), Annalisa De Maddalena (Itália),Jörn Brüningholt (Alemanha), Fang Chang (interprete Brasil -Taiwan) e Sergio Milatias (abaixo)

Em certa fase da vida as crianças ainda não têm plenamente a capacidade de levantar um copo, levá-lo à boca, despejar e ingerir bebidas sem derramá-las. Todos nós passamos por isso, e algumas pessoas vitimadas por acidentes têm que reaprender essas “coisas simples” em processos de fisioterapia, que podemos chamar no campo da eletromecânica de calibração.

Desde o nascimento já temos sensores no corpo, mas ainda não calibrados. E essa calibragem não é imediata, leva anos. Mas trata-se de um sistema que, se bem gerido, se torna capaz de detectar o nível de parâmetros como força e temperatura, e enviar comandos (instruções) do cérebro aos demais membros do corpo de como e em que intensidade eles devem agir. É praticamente assim que fazemos manufaturados, controlando parâmetros com esses, pois qualquer máquina passa por construção e calibragem para fazer as mesmas coisas com controle.

A automação industrial se concentra em fazer as máquinas serem cada vez mais nossa imagem e semelhança. Além de parafusos, fios, lubrificantes, motores, as máquinas estão recebendo cada vez mais sensores que até então estavam somente em nossos corpos. Copiamos partes dos nossos corpos e os colocamos nas máquinas. Agora estamos implantando nelas nossa inteligência e interligando- as com computadores em conexões remotas, “nuvens”, formando essa tal de Indústria 4.0, que já está dominando as atenções, algo que testemunhamos nas feiras Taiwan Fastener Show e a Wire Düsseldorf (na Alemanha, onde brotou o conceito), acompanhado em boa parte do tempo por esta maravilhosa comitiva de imprensa, retratada neste espaço.

Boa leitura!!!
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com