Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 63
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
04/05/2017 05h13

Editorial

Globo Industrial

Se fosse um país, somente a indústria dos EUA seria o 9º PIB mundial

 

Segundo nosso colega Mike McNulty, da Revista Fastener Technology International, somente nos Estados Unidos o setor industrial gerou US$ 2,17 trilhões, perto de 12% dos US$ 18,855 trilhões do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016. Imaginando que todo este setor industrial fosse uma nação, ela seria o 9ª PIB global. A indústria EUA está prevendo uma demanda de 3,5 milhões de colaboradores para os próximos 10 anos. Em cada US$ 1 inserido neste setor finda numa adição de US$ 1,40 na economia, maior proporção comparada aos outros setores.

Por sua vez, o setor industrial brasileiro, que representa 25% do PIB, se também fosse uma nação – embora longe dos números dos EUA do Mike – estaria próximo dos 20 primeiros colocados globais, perto de países como Polônia e Bélgica.

No ranking mundial - considerando o PIB total - o Brasil é o 10º, mas em exportações é apenas o 25º, mesmo estando no topo, por exemplo, do agronegócio, que é 10% do nosso PIB. Ora bolas, se já sabemos onde está o problema então por que não nos tornamos uma potência industrial global, seguindo os passos do agronegócio, referência em exportação? Não vale a desculpa sobre o vendaval tributário, trabalhista, infraestrutural, pois ele sopra em todas as direções.

De acordo com o nosso entrevistado, o jornalista e economista Luís Artur Nogueira, “falta uma política industrial; falta a indústria ser prioridade para a política econômica”. Nas últimas décadas o campo recebeu muito suporte em pesquisa e desenvolvimento, com destaque para a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Assistindo aos domingos o programa Globo Rural, na TV Globo, dá para ver um êxito atrás do outro. Este setor “nada de braçada”, seja na carne bovina, soja, no café ou doce em compota, cabendo perguntar: “quem é a Embrapa da indústria brasileira?”. Sonhando, penso que ainda teremos, logo após o Globo Rural, o “Globo Industrial”.

 
Boa leitura!
Sérgio Milatias
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com