Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 30
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fique por dentro
16/12/2011 08h51

 

Polícia Civil encontra arame como fixador no Bonde de Santa Teresa

 

Cinco pessoas morreram e 57 ficaram feridas no acidente do Rio de Janeiro. Peritos encontraram diversos flagrantes de precariedade como arame substituindo pino de fixação próximo às rodas e ao sistema de freios

 


Imagem meramente ilustrativa / Foto: Raquel O. Ramiles

Falta de manutenção, preservação e fiscalização das autoridades são as causas de tantas fatalidades envolvendo acidentes com transporte no Rio de Janeiro. A tragédia do bondinho de Santa Tereza foi até o momento o mais grave, deixando cinco mortos e 57 feridos. O representante do Sindicado dos Ferroviários pediu uma inspeção no sistema de trilhos ao site da Revista Veja. Os problemas constatados vão da limpeza até a superlotação e ausência de peças essenciais para a segurança do transporte, como um arame substituindo pino de fixação próximo às rodas e ao sistema de freios.

Segundo declaração do responsável pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro (Crea-RJ), Luiz Antônio Cosenza, “sempre houve problema de investimento em manutenção dos bondes”. Cosenza presidiu o sistema de bondes pelo governo do estado em 2002 e, desde então, acompanha de perto a situação. Há três anos, os bondes de Santa Teresa foram renovados. O freio, que antes ficava na parte de baixo dos carros, resguardado por uma caixa de ferro, passou a uma maior exposição, colocado na lateral. Havia, inclusive, pessoas que, para subir no transporte, pisavam na caixa. Após o acidente, a proteção à caixa foi reforçada, mas não deslocada.

A reclamação constante da Associação de Moradores e Amigos de Santa Teresa (Amast) é de que essa mudança não serve para esse tipo de transporte usado no local. As novas rodas são de trem porque não se encontram mais para bondes. Antes, quando se fazia curvas, o barulho era enorme, pois as rodas não são adequadas aos trilhos. A solução foi colocar graxa para diminuir o som. “O que aconteceu é uma tragédia anunciada. Quem mora aqui usa o bonde como transporte público, sabe e vê a situação”, diz o advogado Abaeté Mesquita, diretor da Amast. 

De acordo com Consenza, “todo o sistema tinha que ser recuperado desde os trilhos, que estão desgastados e sem nivelamento, até a rede aérea. Não se trata apenas do bonde”. Para o engenheiro, onde há linha de bonde em Santa Teresa deveria ser proibida a passagem de outro transporte. “A prefeitura tem que tomar providência. Os carros estacionam em cima do trilho, fora da faixa e não são rebocados. A desordem é total”, alerta.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com