Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 68
Busca::..
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
12/04/2018 04h57

 Persona

O mercado de fixadores global sob uma perspectiva europeia

A situação no mercado europeu de parafusos e afins se mantém muito positiva em razão do forte desempenho econômico e crescente demanda global. A expansão das vendas registradas em 2017 pelos principais distribuidores alemães tende a continuar neste ano.

Uma das megatendências neste tipo de negócio tem sido a concentração de mercado: em 2017 a Bufab comprou a unidade inglesa do Grupo Thunderbolts, enquanto a Sumeeko, fabricante taiwanesa de fixadores e peças automotivas, adquiriu a Max Mothes, distribuidora alemã de parafusos e similares. Veremos casos semelhantes neste, e nos próximos anos, dessa tendência de internacionalização dos negócios em fixação, pois o tamanho importa! O crescimento é vital para esses distribuidores satisfazerem as demandas dos clientes, além das exigências cada vez mais complexas em escala global. Concentração e internacionalização são conduzidas pela digitalização. Gerenciamento de dados, comunicação máquina-máquina, processos automatizados, tudo isso mudará nosso local de trabalho de forma que nenhum de nós já experimentou. Gerir a digitalização é o nosso maior desafio.

Outro aspecto interessante está nos aumentos de preços chineses. Em 2016, quando o antidumping sobre fixadores de aço da China foram removidos, os fabricantes europeus temiam ver o mercado inundado por itens de baixo preço. Contrário, iniciou-se uma onda de aumento de preços, já que os custos de insumos chineses, como o fio-máquina, mais do que duplicaram desde fevereiro de 2016, subindo mais de 30% só em 2017. Como consequência, os preços dos fixadores Made in China se desenvolveram em conformidade. As elevações desses preços em 2017 variaram entre os diferentes grupos de produtos, mas sempre acima de 20%. As linhas de peças especiais atingiram os níveis de preços da Turquia e de outros países da Europa Oriental. Este fenômeno sobre os preços se deu pela escassez na produção de aço na China e pela crescente demanda de produtos siderúrgicos pela União Europeia e no próprio mercado chinês. Hoje, o custo da mão-de-obra chinesa é significativamente maior do que eram dez anos atrás. Como sabemos, essa escassez de aço é resultante do compromisso do governo chinês em reduzir a poluição, restringindo a produção além de diminuir o excesso de capacidade de produtiva global. Os preços crescentes do aço afetam claramente a produção dos parafuseiros asiáticos, como em Taiwan. Olhando para a situação política e econômica, aguardo preços maiores em 2018.

Dr. Volker Lederer
Presidente da European Fastener Distributor
Association - EFDA
Diretor da distribuidora de fixadores Lederer GmbH
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com