Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 91
Busca::..
Edição 92
Edição 91
Edição 90
Edição 89
Edição 88
Edição 87
Edição 86
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
24/02/2022 02h49

Editorial

Balanço 2019, 2020 e 2021

Destacamos aqui alguns pontos de impacto em nosso setor

Aço

O ano que se foi marcante na produção brasileira de aço que alcançou 36,039 milhões de toneladas, resultando num recorde, segundo dados do Instituto Aço Brasil. Em tonelagem, apenas o ano de 2018 chegou mais próximo 35,4 milhões. Nenhum ano anterior registrou produção na casa de 35 milhões de toneladas. No que tange o consumo aparente, os números do Instituto apontavam para 26,7 milhões de toneladas no fechamento do ano, 24,3% superior a 2020.

Autos

Nos dois últimos anos o mundo conheceu um novo vírus e uma nova modalidade de escassez, a de semicondutores. Ao lado do vírus, esse item tem causado dores de cabeça na produção automotiva global. No Brasil, a produção de motocicletas fechou o ano com um bom resultado, 1.195.149 unidades, a maior desde as 1.262.708 motos feitas em 2015. Segundo a Abraciclo, entidade representativa do setor, 2021 fechou com 24,23% acima das 961.986 unidades de 2020 e 7,88% superior às 1.107.758 motocas feitas em 2019.

Acima de duas rodas, autos, caminhões, ônibus totalizaram milhões 2.248.253 de unidades, 11,62% acima de 2020, 2,014.055, mas 23,66% abaixo de 2019, 2.944.988, segundo dados da Anfavea.

Fixadores

Sabe-se que o Brasil não figura, atualmente, como um relevante exportador global de parafusos e afins. Suas vendas ao exterior em 2021 alcançaram US$ 153,28 milhões (58.584 toneladas, *preço FOB US$ 2,62/kg), resultado 12% acima dos US$ 136,86 milhões de 2020 (26.937 toneladas, *US$ 5,08/kg); 21% abaixo dos US$ 193,93 milhões de 2019 (29.576 toneladas, *US$ 6,56/kg).

As importações de fixadores demandaram US$ 933,90 milhões em 2021, um recorde. Em 2020 foram US$ 499,27 milhões, enquanto 2019 fechou com US$ 621,65 milhões. Os gastos em dólares em 2021 foram 87% acima de 2020 e 50,2% superior a 2019.

Em volumes, um pouco mais de 205.313 toneladas desembarcaram no país em 2021 (*US$ 4,55/kg); 104.052 em 2020 (*US$ 4,8/kg); 123.923 em 2019 (*US$ 5,02/kg).

 
 
Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com