Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 64
Busca::..
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
06/08/2017 05h30

 Editorial

 Sem temer o piloto automático

 

    Instituições bem estruturadas são o caminho para manter a economia impermeável aos mandatários vigentes


Ao concluir a edição anterior (RP63 - abril/maio 2017) estávamos atordoados com os impactos dos escândalos envolvendo diretamente o atual presidente do Brasil. Nosso entrevistado na ocasião, o jornalista e economista Luís Artur Nogueira, já dizia – não se perca pela palavra – “temer” alguma brusca mudança vinda de Brasília.

Durante uma troca de mensagens eu disse a ele: “agora teremos uma oportunidade para ver o quanto a economia consegue manter-se impermeável à política”. Em outras palavras, será que aquele empresário vai dar continuidade ao plano de construir uma nova fábrica? Será que aquele cidadão que estava pensando em comprar um carro novo vai, ou não, frustrar o vendedor da concessionária, que por sua vez está prestes a comprar o apartamento dos seus sonhos?

No fechamento deste editorial o nível desta impermeabilidade se mostrava em patamares elevados, cenário ilustrado pelos indicadores econômicos, como o nível de produção industrial que teve 4% de avanço em relação a 2016, o melhor desempenho em sete anos, segundo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Especificamente no setor automotivo, que impacta muito no mercado de fixadores, as vendas passaram de um milhão de unidades antes do fim da primeira semana de julho, crescimento de 4,2% em relação a 2016, de acordo com a agência AutoInforme.

Concluindo, um legado deste atual governo está em manter instituições sólidas – como o Banco Central e os ministérios das áreas da produçãoe de serviços – operando impermeáveis à política tradicional e, principalmente, com condução por pessoas altamente habilitadas para suas funções, mantendo a nação mais segura no piloto automático.

 
 
 
 
 
Boa leitura!
Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com