Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 61
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos 2
01/02/2017 10h50

Com Plataforma do Biofuturo, preocupação com meio-ambiente volta a ser pauta do governo

 

Atitude ecosustentável faz parte da rotina da LubFenix, empresa que faz rerrefino de óleo lubrificante usado e contaminado (OLUC)  

Em novembro de 2016, o Brasil demostrou sua preocupação com o meio-ambiente na COP 22, Conferênciado Clima de Marrakesh, com a retomada do projeto Plataforma do Biofuturo. O projeto consiste na coalisão de 20 países para incentivar a produção e a comercialização de combustíveis avançados de baixo carbono. O foco é o etanol, produzido a partir da quebra da celulose, que começou a ganhar destaque comercial há dois anos e é fabricado em seis usinas no mundo, sendo duas no Brasil, dando para o país a marca de segundo maior produtor mundial de etanol.

Esta é a segunda vez que os brasileiros tentam emplacar o combustível. A iniciativa anterior para promover o etanol foi em 2006, ainda no governo Lula. No entanto, o combustível derivado da cana acabou ficando em “segundo plano” a partir da descoberta das grandes reservas de petróleoda cama pré-sal.

Além de querer emplacar algo produzido no país, a iniciativa do governo federal demonstra uma preocupação com o meio-ambiente que cada vez mais está em pauta nas grandes potências mundiais. E medidas sustentáveis que respeitam o ecossistema já fazem parte da Lubrificantes Fenix.

Situada em Paulínia, a empresa faz a coleta e rerrefinode Óleo Lubrificante Usado e Contaminado(OLUC), resíduo retirado do motor automotivo ou equipamento industrial. Quando descartado de forma incorreta, o OLUC pode provocar graves problemas ambientais e à saúde pública.
 
Apenas um litro desse material descartado de forma indevida pode comprometer o funcionamento das estações de tratamento de esgoto, além de contaminar mais de1 milhão de litros de água, quantia que uma pessoa levaria cerca de 14 anos para consumir. Além disso, quando detectado no solo, inutiliza a área tanto para o cultivo quanto para a construção, uma vez que mata a vegetação e os micro-organismos, causando a infertilidade da área.
 
Além do rerrefino, a LubFenix tem uma preocupação com a destinação de resíduos na RMC (Região Metropolitana de Campinas). A empresa possui licença para a coletade cerca de 560 toneladas por ano de embalagens plásticas vazias e aproximadamente 100 toneladas de EPI’s, papéis, filtros de óleo, plásticos, lonas de filtração, filtros de cartucho, madeira, algodão, frascos de vidro, mangueiras, mangotes e embalagens vazias de papel.
 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com