Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 60
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
27/11/2016 09h38

     Editorial

História de pescador

 

Este não é “um espaço Facebook”, mas peço licença para uma referência - um tanto pessoal - pois quero aqui contar sobre um eficaz pescador, que é o meu sogro. Diferentemente deste autor, ele sempre pega muitos peixes nas pescarias. Intrigado com o meu fracasso, passei a observá-lo e concluí que a razão de sua eficiência provém do simples fato de ser ele um trabalhador incansável. Pausa: Concordo com afirmação de que, em vendas, a inspiração é só 10%. Os outros 90% são transpiração.

Voltando, ao observar este pescador vi que sua inspiração era só de 10%. O cara é esforçado mesmo, tem conhecimento empírico que se mistura com o método de tentativa e erro. Experimenta inúmeras opções de iscas, quantidade ideal, põe as iscas mais no fundo ou mais na superfície da água; muda a boia, chumbinho, tipo e tamanho do anzol, da linha e por aí vai... Em suma, ele busca identificar e atender o que os peixes querem naquele dia, naquela hora. Tentar impor a sua própria vontade seria inútil, mas essa é uma ação comum na arte de capturar peixes e/ou clientes.

Já que estamos na edição final de 2016, e daqui a pouco começaremos a seção de promessas para o ano novo, vamos refletir sobre esse misto de pescarias/vendas:

1) Onde estamos pescando existem peixes?

2) Se existem, estamos ofertando o que eles querem?

3) Estamos pescando no modo e no momento correto? 

Nesta edição completamos 10 anos de atividades, período em que ainda buscamos compreender para lidar melhor com as demandas dos nossos leitores, anunciantes, fornecedores e colaboradores. É inútil tentar impor o que eles não querem ou precisam, e isso pode mudar sem avisos. É preciso aceitar que neste vasto universo de pessoas – de diferentes regiões, raças, crenças, formações – acreditar que estamos 100% prontos é voltar sapateiro para casa (sem peixes). E ninguém estará totalmente pronto porque as mudanças são as únicas certezas para todos, incluindo os pescadores e os vendedores.

 
Boa leitura!
Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com