Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 59
Busca::..
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Entrevista
03/10/2016 11h32

Entrevista


Elbia Silva Gannoum, presidente da Associação
Brasileira de Energia Eólica - ABEEólica

Executiva, profundamente envolvida com atividades no setor energético nacional, apresenta um interessante panorama deste setor emergente
 

Vivemos a era em que novas fontes de energia – algo que pareci pertencer a um futuro distante – começam amadurecer rapidamente, trazendo consigo certezas na diminuição dos impactos ambientais, mas tendo também incertezas em como lidar com interrupções momentâneas, caso da matriz energética “vinda do deus mitológico Éolo, o senhor dos ventos”.

Sendo assim, nada mais indicado do que buscarmos informações junto aos especialistas no tema, caso de nossa entrevistada, dona de um extenso portifólio. Elbia Silva Gannoum é doutora em engenharia de produção e mestre em economia pela Universidade Federal de Santa Catarina, onde também lecionou, além de ser bacharel em ciências econômicas pela Universidade Federal de Uberlândia, MG.

Desde setembro de 2011 preside a ABEEólica, e faz parte da diretoria da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Foi conselheira da Eletrosul (2005-2006), economista-chefe do Ministério de Minas e Energia (2003-2006), coordenadora de política institucional do Ministério da Fazenda (2002-2003) e assessora na Eletrobras e na Aneel, a Elbia Silva Gannoum Agência Nacional de Energia Elétrica (2001).



Qual é a porcentagem atual desta matriz no Brasil e no mundo?

No Brasil a energia eólica responde em cerca de 7% da matriz elétrica. No caso internacional, veja o gráfico abaixo (Fig.1). Mas vale uma consulta no último relatório anual do Global Wind Energy Council – GWEC (digite no Google “Global Wind Report 2016 pdf”).

 
Onde estão os maiores parques eólicos no Brasil e onde haverá expansão?
 
Logo abaixo (Fig. 2) apresentamos os parques eólicos em atividades, divididos por estados e, em seguida, os que estão em construção e que mostra, portanto, onde haverá expansão (Fig. 3).
 
Os parques instalados são subdivididos em três categorias: aptos a operar, operando em teste e operando comercialmente. A capacidade instalada ao final de julho foi de 9,96 GW.
 
 
Os parques em construção são subdivididos em duas categorias: em construção e constratados. Ambos somaram, no mesmo período, 8,46 GW.
 
 
 
Quais são as maiores vantagens e desvantagens (riscos) desta matriz?
 
A energia eólica é completamente limpa, não há emissão de C02 em sua geração. Além disso, há baixo impacto ambiental nas regiões, considerando, especialmente, que os donos das terras podem continuar a exercer outra atividade e produzir nas terras (Fig. 4). A energia eólica convive com agricultura e criação de animais, por exemplo. Outro ponto positivo no caso brasileiro é o fato de que temos cadeia produtiva 80% nacionalizada, facilitando produção, logística e competitividade. 
 
 
Sobre desvantagens, não temos nenhuma a apontar, mas vale ressaltar um desafio da fonte que, embora esteja atualmente menor do que já fora, ainda é um ponto importante: é de amplo conhecimento que em um passado recente do setor alguns parques eólicos estavam aptos a operar, mas sem conexão devido a um descompasso entre os cronogramas dos parques e das linhas de transmissão. Esta situação, natural de um processo de crescimento rápido de uma indústria, vem sendo solucionada e atualmente apenas 15 parques estão sem conexão (377,5 MW), menos de 4% do total. Para mitigar a falta de conexão, dado principalmente o descompasso dos cronogramas, nos leilões de energia recentes, há uma etapa classificatória que filtra para a etapa de lances de preço dada a disponibilidade de escoamento da transmissão, ou seja, apenas passa para a fase competitiva (de preços) do leilão aquele projeto que tiver uma linha de transmissão disponível e com capacidade remanescente suficiente para que seja gerada energia eólica e injetada na rede.
 
Qual é o tempo de vida útil de uma torre + aerogerador, esteja ele instalado na terra ou no mar?
 
De forma geral, cerca de vinte anos, mas este é um ponto que tende a mudar considerando desenvolvimento tecnológico.
 
Um recente estudo aponta que energia solar e eólica devem superar as matrizes atuais em 25 anos. Quais são os números e estimativas da ABEE?
 
Nossas estimativas atuais têm como base os contratos já assinados. O gráfico de evolução (Fig. 5) muda conforme novos leilões acontecem e mais energia eólica é adicionada ao sistema. Hoje estamos com 9.96 GW de potência instalada e vamos chegar a 18.4 GW em 2020 considerando os
contratos já assinados.
 
Quais são as médias de custo entre este tipo de energia e as demais? Quais são as projeções para equiparação de custos às demais fontes?
 
 
É bom lembrar que a fonte eólica já é a segunda fonte mais competitiva em leilões. É importante entender também que no Brasil temos um sistema elétrico único, a precificação para os consumidores é nacional e não regional. Ou seja, em linhas gerais, os custos do setor são divididos entre todos os consumidores e considerando todas as fontes. A eólica hoje responde por cerca de 7% da matriz. A boa notícia é que quanto mais a eólica cresce, maior a diferença na conta total, e uma das justificativas é a não necessidade do acionamento recorrente de usinas térmicas muito caras, conforme mencionado antes. O preço ideal para a comercialização de uma usina eólica no mercado regulado atualmente é de R$ 230,00 por MWh. Esse valor é o segundo mais competitivo do Brasil (perdendo somente para as grandes hidrelétricas) e um dos mais competitivos do mundo. Para comparação mundial, isso se dá principalmente devido ao nosso sistema de comercialização que é via leilão diferente da maioria dos países que tem investimentos subsidiados. 
 
Placas de energia solar já fazem parte de residências. Quando poderemos comprar “kits eólicos” nos home-centers ou nas Casas Bahia?
 
Em relação à microgeração, indicamos a leitura da Resolução Normativa Nº 482/2012, que estabelece as condições gerais para o acesso de microgeração e minigeraçãodistribuída aos sistemas de distribuição de energia elétrica,o sistema de compensação de energia elétrica, e dá outras providências.
 
Aproveito para compartilhar o Guia de Microgeradores Eólicos, elaborado pelo Instituto Ideal, que pode ser acessado no link www.institutoideal.org/guiaeolica, material bastante divulgado no Brasil.

Elbia Silva Gannoum
Presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica - ABEEólica
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com