Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 58
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
29/07/2016 03h14

     Editorial

 

Ludo no fim do túnel

 

De acordo com o Instituto Brasileiro de Estatística e Geografia (IBGE), entre 1901 e 2000 a população brasileira saltou em 17,4 milhões para 169,6 milhões de habitantes, enquanto o Produto Interno Bruto (PIB) foi multiplicado por cem. Neste mesmo período a taxa anual de crescimento econômico no Brasil foi de 4,5%, a segunda maior no mundo, atrás apenas de Taiwan com 4,9%.

 

Já na primeira década deste Século, 2001 a 2010, nosso avanço econômico anual girou em *3,75%, sendo que a média mundial foi de *2,68%. Porém, nesta atual década, especialmente entre 2011 e 2014, nosso crescimento anual era de *2,25%, contra a média global de *3,6%. Mas, quando veio 2015 e seus *3,8% negativos, tudo foi abaixo, como num Ludo, aquele jogo composto de um tabuleiro, peças coloridas e dados, no qual cada jogador lança os dados que os fazem avançar gradativamente de casa em casa até a meta final. Porém, no Ludo o jogador pode ter que retroceder, perdendo o espaço já conquistado caso coincida a casa a ser ocupada, obrigando-o à recomeçar após a perda dos pontos.

 

Nossa queda comercial e industrial nos obrigou a voltarmos “algumas casas”, mas ainda estamos no jogo que pode começar a virar logo após os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em agosto próximo, onde poderemos iniciar a recuperação de algumas casas perdidas, pois no Ludo também se ganha.  

*www.worldbank.org

 

A ópera do malandro

 

Malandro é um tipo de pessoa que age fora das regras, por meio de artimanhas que lhe dê vantagens ilícitas sobre osdemais. Ao longo dos tempos – especialmente no Rio de Janeiro, a cidade sede dos Jogos Olímpicos 2016 – a malandragem foi romantizada, dando glamour a quem não merece. A encrenca econômica em que estamos, conforme o texto anterior, foi causada por malandros que ludibriaram a plateia de verde e amarelo, mas felizmente muitos estão sendo pegos no “exame antidoping” e outros ainda estão por vir. Doping é um tipo de “malandragem química” utilizada por falsos esportistas, que esperamos não venham manchar o momento histórico da Cidade Maravilhosa e do Brasil.  

 
 
Boa leitura! 
Sérgio Milatias 
 
 
“Texto revisado em relação ao publicado na versão impressa”
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com