Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 56
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos - Dr. Lírio Schaeffer
05/04/2016 09h40

Artigos

 

Aumento da eficiência energética em empresas que geram calor


Doutor pela Universidade do Rio Grande do Sul, Lírio Schaeffer demonstra um resumo sobre fazer mais com menos

 

 

Em várias partes do mundo muitas iniciativas estão sendo desenvolvidas no sentido de aumentar a eficiência energética nas empresas. Uma das formas é através do aproveitamento do fluxo do calor gerado por vários equipamentos e dispositivos usados, por exemplo, nas forjarias. Da Alemanha vem um trabalho executado pelo projeto Enermass com a participação de oito empresas e liderado pelo Prof. Dr. Reiner Herbertz, onde vários processos de aproveitamento do “calor perdido” foram desenvolvidos e avaliados [1]. A figura 1 mostra um esquema sobre aproveitamento de calor perdido numa forjaria.

 Figura 1. Construção de uma aplicação num tratamento térmico no processo BY [1]

                                                   Figura 2. Uso de calor no processo ORC

 

                                           Figura 3. Conversão direta de calor residual em eletricidade [4]

 

 Um exemplo na prática com aplicações na forjaria, na empresa Gustav Grimm Edelstahlwerk, onde se descreve sobre uma economia de 120 ton. de CO2 economizada durante um ano (num consumo total de 200.000 kWh em 2014). A economia em recursos financeiros atinge € 180.000 no ano. O processo utilizado foi baseado no “Organic Rankine Cycle (ORC)”, usado quando as zonas que emitem fluxo de calor ficam em temperaturas baixas (50 e 60°C) [2]. A figura 2 mostra esquematicamente.

Uma outra alternativa que vem sendo estudada pelo Laboratório de Transformação Mecânica (LdTM) da UFRGS (Porto Alegre) é através da geração de energia elétrica pelo princípio da Termoeletricidade [3] [4]. A figura 3 mostra esquematicamente o princípio, usando-se um Termo Gerador (TEG).

 Referências

[1] Dachur, W e outros: Energieeffizienz in der Massivumformung II. Schmiedejournal, março 2013, pp. 20-27.
[2] Projeto BFI (VDEh). Umformtechnik 3 (2015) pp 10; ou <www.stahl-online.de>
[3] BOSCH http://www.bosch-kwk.de/de/loesungen/ bosch-kwk-systeme-orc-systeme/orc-kreisprozess-bosch-kwk-systeme.html> acesso em 24/08/15 às 17:10.
[4] Polozine, A; T.C.A C. Colombo e L. Schaeffer: Termoeletricidade de Seebeck aplicada no forjamento a frente. Forge Journal, março 2013, pp 5. 
[5] Polozine, A; S. Sirotinskaya e L. Schaeffer: History of development of Thermoeletric Material for Eletric Power Generation and Criteria of their quality. Materials Research 17 (2014), pp. 1260-1267;
 
Dr. Lirio Schaeffer 
Professor e pesquisador da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 

 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com