Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 56
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
05/04/2016 09h44

Editorial

 

Bem mais que 78 mil toneladas de fixadores em 2015

 

Na edição 2016 do Anuário do Parafuso estimamos que só na indústria automotiva brasileira o consumo aparente de fixadores foi superior a 78 mil toneladas. De acordo com Rubens Cioto, uma das maiores autoridades técnicas em fixação no país, nossa estimativa de 60 mil toneladas em fixadores para carros de passeio estava correta.

No caso de caminhões, ônibus e máquinas agrícolas, Cioto diverge exemplificando: “Num caminhão com motor diesel de 6 cilindros são usados 12 parafusos na capa da biela, 24 no cabeçote, 14 na capa do mancal, 8 no volante, além do damper (peça que absorve a vibração do motor) totalizando, assim, 64 parafusos e um peso de 10 kg. Além de outros 550 variando entre M8 e M24, peso médio unitário de 35 gramas, totalizando mais de 20 kg. Continuando, acrescentamos os parafusos entre o motor e coxins, caixa de direção, sistemas de refrigeração, conexão com a caixa de embreagem, conexões com a caixa de transmissão, coxins cardã e eixo traseiro, totalizando mais de 30 kg. Supondo que seja um caminhão médio e tenha 4 eixos, teremos então 8 rodas e total de 80 parafusos e porcas, com o peso médio de cada fixador, nesta aplicação, em 600 gramas, contando com a porca. Assim, teremos mais de 48 kg por caminhão. Ainda temos os parafusos que fixam os agregados no chassi, como o tanque e os suportes em geral, somando média de 150 parafusos, a maioria deles M14 e peso unitário de 120 gramas, somando mais de 18 kg, totalizando 128 kg, coincidindo com pesquisas que indicam 150 a 200 kg por caminhão. Concluindo, os 74 mil caminhões produzidos no país em 2015 representaram, no mínimo, 15 mil toneladas, o triplo das  4,8 mil publicadas no Anuário.”

Cioto considera que o peso médio unitário por fixador é de 22 gramas na modalidade passeio/leves; 75 em caminhões; 50 nos ônibus e 70 para tratores, implementos agrícolas, maquinas rodoviárias, terraplanagens e similares.

Segundo ele, o Brasil já teve ano em que produziu 120 mil caminhões, com24 mil toneladas de fixadores. No caso de tratores, só parafusos de motor já alcançam os 34,5 kg estimados no Anuário, valendo lembrar que já houve ano em que o Brasil produzia 350 mil motores diesel, e que não estão sendo incluídos nestas estimativas, isso sem contar carrocerias de todos os tipos, compressores e tantos outros.

 

        Boa leitura! 

        Sérgio Milatias 
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com