Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 55
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
13/02/2016 09h33

Persona


Produtividade consciente


Li com atenção o artigo do Prof. Alfredo Calenci, na Revista do Parafuso (RP54 out./nov. 2015), onde ele manifesta apropriadamente sua visão humanista, atribuindo às Políticas Públicas o desgaste físico e emocional do trabalhador – e também de todos os cidadãos – contribuínte dos impostos em cadeia sem nada ter em troca. É fato que os empregados chegam ao trabalho cansados e estressados, mas não se pode transferir o problema para os empregadores e considerar que estes devem “pagar o pato”.

A maioria das empresas sérias acolhe seus empregados com adequadas condições de trabalho, preocupa-se com a saúde, higiene e segurança no ambiente interno, providencia EPIs, oferece treinamento e desenvolvimento, gerencia riscos de acidentes, fornece alimentação de qualidade ou vales refeições, etc. Algumas chegam a ter transporte fretado, creche, clube recreativo para a família e planos de saúde. Tudo isto tem um custo que é somado ao maior dispêndio das empresas – a folha de pagamento e respectivos encargos – além da imensidão de taxas e impostos pagos ao governo.

Nos métodos de trabalho consideram-se majorações em tempo para compensar a fadiga atribuída à atividade e ao ambiente interno (temperatura, iluminação, insalubridade). O respeito à condição humana é total, seja por consciência ou por lei. Além disso, preocupam-se com a sustentabilidade do meio ambiente. Estudo profundo sobre o assunto encontra-se no livro O Trabalho – Mais Resultado com Menos Esforço/Custo – Passos para Produtividade. Análises frequentes são publicadas semanalmente em Doses de Produtividade (www.fullmann.com.br).

No mundo empresarial, a mais justa e efetiva medição de produtividade pode ser representada pela relação ganho/despesa operacional, sendo ganho a diferença entre o preço líquido de vendas (descontados os impostos) e os custos diretamente variáveis (principalmente matérias-primas, componentes e serviços terceirizados aplicados ao produto). Na despesa operacional junta-se tudo o que a empresa  gasta, exceto o custo diretamente variável. A Despesa Operacional ocorre mesmo que nada se produza ou venda.

Independentemente do país em que uma empresa atue, a relação entre o que se ganha e o que se gasta ao longo de um período é medida pela produtividade – uma medida relativa, consciente e lógica – que não mistura as condições externas.

Há sempre um contrato de trabalho que considera uma contrapartida entre os gastos que a empresa tem com um empregado e o que ele produz; a meta de cada pessoa deve estar alinhada com a meta de qualquer empresa de produção, que é ganhar mais dinheiro hoje e sempre, satisfazendo as necessidades de seus empregados, clientes, governo e sociedade.

Medir a produtividade por empregado dentro da empresa é legítima.

O uso frequente de celulares dentro do ambiente de trabalho para manter-se conectado com redes sociais, que nada tem a ver com sua atividade contratada, tem baixado o desempenho das pessoas, independente das suas condições de chegada ao trabalho.

As legítimas ponderações do Prof. Colenci, quanto aos fatores do Ambiente Territorial, poderiam ser assumidas pelos sindicatos dos empregados para forçar o governo a fazer sua parte com as Políticas Públicas e ajudar as empresas a crescerem e serem mais produtivas para investirem mais e gerar mais empregos.

A aplicação consciente dos conceitos de produtividade para incrementar a pujança econômica do país, eliminar a improdutividade da classe política e melhorar a qualidade de vida dos cidadãos, dispensa revisão. Basta ética.

 
Prof. Eng. Dr. Claudiney Fullmann
Consultor em estratégias empresarias, palestrante e professor universitário da FEI, MAUÁ, FGV, PUCRS, HSM e BSP.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com