Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 54
Busca::..
Edição 85
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Europa news
07/12/2015 02h59

 Europa news

 

Moeda arrasta resultados da Bossard no primeiro semestre


O grupo europeu Bossard divulgou seu crescimento na primeira metade de 2015, com elevação
de 5,4% em vendas para CHF 336,4 milhões (francos suíços). A reavaliação da moeda Suíça, no entanto, impactou a rentabilidade, em particular na Europa. Este crescimento se deve principalmente às aquisições nos EUA, Itália, França e Noruega. Em moedas locais, as unidades europeias do Grupo mostraram elevação de vendas em 4,6%, apesar do arrasto da moeda e dos benefícios com as aquisições as vendas declinaram 1,8%. Convertido em CHF, a receita apresentou queda de 3,7% para 199 milhões (€ 185 milhões). As unidades de negócios na Suíça foram as mais afetadas pelo cambio desfavorável com quedas perceptíveis em margens e vendas. Após a aquisição da Aero-Space Southwest Inc, as vendas americanas aumentaram 33,1%, em comparação com o primeiro semestre de 2014, para CHF 87,2 milhões (em moeda local o aumento foi de 25,5%). Excluindo aquisições, as vendas caíram 5,2% em moeda local. Bossard disse que a expectativa de crescimento nos EUA com a maior fabricante de veículos elétricos não compensa integralmente essa redução da procura relacionada com o mercado, a partir de um importante cliente do setor de máquinas agrícolas, mas a empresa ainda espera maior volume desses clientes na segunda parte de 2015. As vendas asiáticas cresceram 6,6% (CHF 50,2 milhões) no primeiro semestre (2,9% em moedas locais). O atual aumento da demanda dos países é encorajador, mas menos dinâmico na China do que em anos anteriores. Os efeitos cambiais da moeda suíça e pressões nas margens têm se refletido na redução da rentabilidade no período avaliado.

Comparado tudo ao ano anterior, o lucro líquido caiu de CHF 2,7 milhões para CHF 29,6 milhões. Excluindo os efeitos negativos do câmbio, o lucro teria sido, em base comparável, ligeiramente acima no nível do ano passado.

 

Dokka anunciou fechamento da unidade EUA

Em 28 de agosto último foi divulgado que a Dokka Fasteners Inc. irá encerrar suas operações em Auburn Hills, Michigan, EUA, até o final deste ano. A empresa ressalta que essa decisão, nos EUA, não afetará as operações na Noruega. Em declaração, Louis Vasilevski, CEO, observa que “foi uma decisão difícil depois do comprometimento de construir uma instalação no estado da arte, em 2010. Embora o início tenha ido bem, o negócio estava sujeito às incertezas em produzir para a indústria eólica local, já que se trata de um setor volátil, com base na falta de uma política definida em energias renováveis vindas do governo americano. Além disso, combustíveis fósseis de baixo custo ainda representam um desafio para energias renováveis. Por último, o dólar forte enfraqueceu a competição contra europeus e asiáticos devido ao preços baixos nas importações. A unidade na Noruega manterá seu apoio aos clientes que exigem fixadores de alta qualidade para aplicações extremas. A Dokka entrou para o Grupo Würth como parte da aquisição de Arvid Nilsson, em 2008. Produto de um investimento de US$ 20 milhões, o forjamento a quente e a usinagem, em Auburn Hills, abriu ao final de 2011. Ela usa automação e robótica em toda a fábrica de itens de aplicações críticas. No início de 2015 Dokka realocou a produção da Cardinal Fasteners, que adquiriu da falência em 2011, para a fábrica de Auburn Hills, norte de Detroit.


Restos da Preciturn são vendidos devido a falência

 

Segundo a mídia francesa, o Tribunal Comercial em Puy-en-Velay aceitou a proposta da Auriol Frappe et Froid, Toulouse, para aquisição. Fabricante de rebites, parafusos e peças especiais destinados às indústrias aeroespacial e automotiva, Auriol também atua zona livre do Tangier, Marrocos. A falência da Preciturn foi acelerada quando a Peugeot a retirou dos contratos de fornecimento deixando a Renault como um negócio doente “seu único grande contrato”. Esta transação deverá resultar na retenção de menos de vinte postos de trabalho, um negócio que na década de 1970 tinha 400. Comprada em 2013 a partir da falência por um investidor norte-americano, o negócio continuou alegadamente por uma falha do investidor na injeção de dinheiro.

 

Nedschroef se compromete a comprar duas plantas Whitesell

 

A Koninklijke Nedschroef Holdings B.V assinou uma compra de ativos da Whitesell, unidades de Beckingen e Schrozberg, ambas na Alemanha. O processo ainda está sob avaliação de órgãos de proteção à concorrência. A Whitesell entrou em insolvência em janeiro deste ano, mas já havia passado duas vezes por este processo como Whitesell Group, dos EUA, comprando quatro plantas na Alemanha no início de 2014. Esta aquisição é a primeira da empresa sob controle da Shanghai Prime Machinery Company Limited. A ação é vista como “mais um passo para a Nedschroef se tornar líder global em fixadores e serviços avançados para empresas que são o futuro da mobilidade”.

Mathias Hüttenrauch, CEO da compradora, disse que a transação foi positiva por três razões: “Estou convencido que podemos oferecer aos funcionários da Whitesell um futuro melhor dentro de planos de crescimento de longo prazo, que vão se concentrar mais em fixadores. Pude observar o trabalho de alta qualidade refletido nas pessoas de Schrozberg e de Beckingen. Minha confiança neles aumentou. Em tecnologias ambas unidades têm excelência de grandes indústrias mundiais de fixadores. Em Beckingen podemos gerar know-how próprio para revestimentos, algo que não temos até agora. Schrozberg está na rota de desenvolvimento e produção de itens complexos conformados a frio. Juntos, abriremos novas perspectivas”. Sobre clientes e tempo no mercado, disse o CEO: “Hoje é necessário mais tempo de mercado em novos negócios. Com tudo que temos, ofereceremos mais flexibilidade aos clientes ajudando-os rapidamente a superar gargalos”. Dados da NGZ-on-line relata que o administrador da insolvência informou a 116 colaboradores em Neuss Schraubenfabrik que ele têm negociações com dois potenciais compradores, um interessado somente na planta Neuss outro querendo Neuss e a planta de Neuwied.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com