Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 54
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
07/12/2015 03h08

 Persona

 

Produtividade: um conceito sob revisão

 


Produtividade é muito lembrada em momentos de crise, quando se procura atribuir,
comparativamente, ao trabalhador brasileiro a responsabilidade do baixo desempenho. Geralmente se faz uma rasa comparação com outros países, tendo por base a produção obtida pela incidência da mão de obra aplicada. Erra-se ao considerar um único indicador e não indicadores múltiplos (capital aplicado, tecnologias, especificação otimizada dos insumos, planejamento eficaz das operações) e mais as condições de anterioridade do Ambiente Territorial (moradia, saúde, capacitação, segurança, mobilidade) oferecidas ao trabalhador, ou seja, onde o trabalhador vive com sua família. Esta condição precária influi diretamente em seu desempenho no Ambiente de Trabalho, onde ele se vê submetido a produzir com rendimento 100% ou maior. Os fatores do Ambiente Territorial, principalmente nos grandes centros, são geradores do stress cumulativo, que provoca sensíveis “deseconomias” na produtividade do trabalhador urbano. Um estudo que realizamos na região de Osasco, a pedido do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, IPEA, permitiu aferir as perdas de produtividade provocadas pelo tempo de submissão do trabalhador ao transporte urbano, em seus percursos de ida e volta de sua moradia ao local de trabalho, da ordem de 17% em percursos diários de 4 horas. Esta medida projetada para o setor produtivo, ao longo do ano, representa um volume desastroso para a economia. Mais ainda, este regime de estresse está simultaneamente condicionado à poluição, ao assédio e insegurança, ao desconforto físico pela falta de pontos de ônibus cobertos e de assentos, ao tempo de espera e às filas intermináveis, ao sacrifício do atendimento familiar, a uma vida social em sua comunidade e à renúncia de continuidade de estudos, forçados que são pela pesada rotina extra emprego não remunerada a que se obrigam. Nisso tudo há uma enorme hipocrisia da Tecnocracia que não considera, de modo geral, a influência dos fatores externos no desempenho do trabalhador urbano em seus postos de trabalho e isto é uma questão de Políticas Públicas com reflexos em Mobilidade Urbana, Saúde do Trabalhador, Desenvolvimento Humano, Engenharia de Produção e Economia. Mais fácil tem sido nominar e responsabilizar aqueles que se acham na linha de frente, nas trincheiras do enfrentamento em suas lutas diárias pela sobrevivência numa condição altamente hostil e de efeitos nefastos.

Alfredo Colenci Junior

Consultor Empresarial, Professor do Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza CEETEPS (1973-2010) e da Escola de Engenharia de São Carlos - USP (1980-1999). Foi vice-diretor superintendente do CEETEPS (1987-1989 e 2000-2004), gerente de engenharia da Metalac S.A. (1967 - 1987). Foi também pioneiro na Educação Superior Tecnológica.

colencijr@yahoo.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com