Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 54
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
07/12/2015 03h10

 Editorial

 

Minas estéreis: o tesouro oculto

 

Já citado neste espaço, o livro “A Riqueza das Nações” (1776) – do filósofo escocês Adam Smith (1723 - 1790), considerado o pai da economia moderna – traz um trecho onde o autor fala sobre “minas estéreis”. Minas, literalmente, são depósitos naturais de minérios e outras substâncias úteis à humanidade. Mas seu significado é extenso, entre eles: “tesouro oculto”.

Minas são estéreis quando, momentaneamente, oferecem algo de valor menor do que o seus custos de extração. Exemplo disso é o petróleo do “pré-sal”, que tendo preço do barril abaixo US$ 45 ficará inviabilizado.

O Brasil é um campo repleto delas, algumas estereis por má gestão, caso do turismo, que falha no básico. Recentemente, um noticiário relatava que no aeroporto de Guarulhos, SP, os banheiros estavam mais limpos após a privatização. Lamentável o Estado não conseguir manter os banheiros limpos, sendo eles local da primeira parada dos viajantes após desembarques. Assim, qualquer nação com um pouco mais de organização leva nossos turistas, fácil.

Já no campo que mais nos interessa diretamente, que é a fixação, as coisas estiveram difíceis neste ano que está se encerrando – se é que ele começou. Este setor esteve estéril durante muito tempo dado seu alto custo de produção, bem mais elevado que a importação de parafusos e similares, conforme relatou na edição anterior o CEO da Jomarca, Ricardo Castelhano, na seção Persona.

Com a retomada da economia e com o câmbio no patamar atual, aqueles que importam fixadores acabados sentirão o impacto, mas as companhias asiáticas, europeias e norte-americanas de máquinas e ferramentas, além de insumos químicos para revestimentos decorativos e protetivos aos poucos terão oportunidades de recuperação, pelo menos no mercado interno.

Fábricas de parafusos esvaziadas, mal conservadas e com máquinas envelhecidas, devido a sua perda de competitividade, começarão um novo ciclo na produção industrial nacional, como um todo, saindo do estado da esterilidade, redescobrindo o tesouro oculto.

 

Boa leitura!

Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com