Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 16
Busca::..
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fique por dentro
30/06/2009 02h26

Resistente a corrosão

O que faz o aço inox ser altamente protegido contra a corrosão? Como foi descoberto? Quais suas aplicações? Acompanhe agora a história deste produto

Alguns elementos estão presentes em quase todos os ambientes que temos contato. Assim como os parafusos, o aço inox também tem grande participação: está dentro das casas (cozinhas, pias, talheres e panelas), em eletrodomésticos, eletroeletrônicos, no transporte (carros, motos, caminhões, ônibus, trens etc), nas ruas, prédios comerciais e residências, shoppings centers etc.

O aço inoxidável é uma liga de ferro e cromo (podendo conter níquel, molibdénio e outros elementos), que apresenta propriedades físico-químicas superiores aos aços comuns.
A expressão “aço inoxidável” transmite a ideia de um material que não se destrói mesmo quando submetido aos mais violentos abusos. Porém, este tipo de metal não é eterno, sendo ele altamente resistente à oxidação atmosférica (resiste fortemente à corrosão, quando submetido a um determinado meio ou agente agressivo). Ele apresenta também alta resistência à oxidação em altas temperaturas em relação a outras classes de aços, quando, neste caso em particular, recebe a denominação de aço refratário.

A resistência à oxidação e corrosão deste tipo de aço se deve, principalmente, a presença do cromo, que a partir de um determinado valor e em contato com o oxigênio, permite a formação de uma película extremamente fina de óxido de cromo sobre a superfície do aço, que é impermeável e insolúvel nos meios corrosivos usuais. Desta forma, pode-se definir como aço inoxidável, o grupo de ligas ferrosas resistentes a oxidação e corrosão, que contenham no mínimo 11% de cromo (Cr2O3). Ela é chamada de camada passiva e tem a função de proteger a superfície do aço contra processos corrosivos.

Esta película é aderente e impermeável, isolando o metal abaixo dela do meio agressivo. Assim, deve-se tomar cuidado para não reduzir o teor de cromo dos aços inoxidáveis durante o processamento, conhecido em metalurgia como passivação. Por ser muito fina — cerca de 100 angstrons (medida utilizada para lidar com grandezas da ordem do átomo) — a película tem pouca interação com a luz e permite que o material continue apresentando brilho característico. A resistência à corrosão, as propriedades higienicas e estéticas fazem do aço inoxidável um material atrativo para satisfazer diversos tipos de demandas.

Tipos de aço inox
Podemos classificá-los nos grupos: ferríticos, austeníticos, martensíticos, endurecíveis por precipitação e duplex. As diversas microestruturas dos aços são funções da quantidade dos elementos de liga presentes. Existem basicamente dois grupos de elementos de liga: os que estabilizam a ferrite (Cr, Si, Mo, Ti e Nb) e os que estabilizam a austenite (Ni, C, N e Mn) A composição química junto com o processamento termomecânico, confere aos aços inoxidáveis propriedades diferentes. Assim, cada grupo de aço inox tem uma aplicação:

Austenítico (resistente à corrosão)
Equipamentos para indústria química e petroquímica
Equipamentos para indústria alimentícia e farmacêutica
Construção civil
Baixelas e utensílios domésticos.

Ferrítico (resistente à corrosão, mais barato pornão conter níquel)
Electrodomésticos (fogões, geladeiras etc)
Balcões frigoríficos
Moedas
Indústria automobilística
Talheres
Sinalização visual - placas de sinalização e fachadas

Martensítico (dureza elevada)
Cutelaria
Instrumentos cirúrgicos como bisturi e pinças
Facas de corte
Discos de freio especiais

História do aço inox
O aço inox foi descoberto pelo inglês Harry Brearley (1871- 1948), que aos 12 anos começou a trabalhar como operário numa produtora de aço, na cidade de Sheffield, Inglaterra. Em 1912, a pedido dos fabricantes de armas, Brearley começou a investigar uma liga metálica que apresentasse uma resistência maior ao desgaste que ocorria no interior dos canos das armas de fogo, como resultado do calor liberado pelos gases.

A pesquisa concentrou-se na quantificação dos efeitos da variação dos níveis de carbono (C, em concentração com cerca de 0,2% em peso) e cromo (Cr, na faixa de 6 a15% em peso). No entanto, ao realizar o ataque químico para revelar a microestrutura desses novos aços com altos teores de cromo, Brearley notou que o ácido nítrico – um reativo comum para os aços – não surtia efeito algum.

Desta forma, o pesquisador não obteve uma liga metálica que resistia ao desgaste, mas sim a corrosão. A aplicação imediata foi destinada para a fabricação de talheres que, até então, eram fabricados a partir de aço carbono, e se corroíam com facilidade devido aos ácidos presentes nos alimentos.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com