Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 50
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Case
25/03/2015 03h54

 Case

 

Walsywa comemora 50 anos  

 

Referência na construção civil, empresa aposta em desenvolvimento de produtos e pessoas para ganhar mercado  

 

João Pedro Schrott, um dos diretores da Walsywa – amplamente conhecida pelos produtos de fixação para construção civil – está no comando geral há 10 anos. Durante esse tempo, a empresa inaugurou 3 filiais, aumentou suas linhas de produtos, inovou no desenvolvimento de sistemas para pessoas e chegou a computar 49% de crescimento ao ano – um verdadeiro boom no negócio.

Em sua 4ª geração, a Walsywa não só coleciona cenários de sucessos como mantém ações para se manter sempre inovadora, tanto em produtos como no atendimento. Conheça mais a seguir.

História

A Walsywa foi fundada em 1964 por um professor do Senai, Walter Zumbano, que identificou uma carência no mercado por produtos nacionais de ferramentas à pólvora. Como essas ferramentas eram importadas na época, Zumbrano achou interessante desenvolver uma fábrica no Brasil. Com isso, a empresa foi crescendo e inventando outros produtos, como a fita perfurada e o chumbador CB (patenteado por 20 anos), um dos mais utilizados no país e também na América Latina.

Juntamente com outros dois sócios, o professor chegou ao nome Walsywa – junção das iniciais de Walter, Sylvano e Wagner. Na década de 80, a empresa chegou a ter 08 unidades no Brasil, além de expandir sua atuação para o exterior, como Argentina, México, Venezuela e Chile. Com a vinda da crise, acabou sendo vendida para o grupo americano Mapri e depois para o grupo Böllhoff. Durante a gestão Böllhoff, a Walsywa introduziu a fixação química no país. Logo após, no final de 2003, foi adquirida por Wolfgang Schrott (pai de João) e seu sócio Raul Martinelli, onde começaram a 4ª geração de direção da empresa. Ambos eram executivos na Böllhoff e fizeram um MBO (Management Buy Out).

Hoje

“Quando começamos a empresa na nova fase, procuramos montar uma empresa muito mais eficiente e enxuta do que era antes. Identificamos o que nos diferenciava no mercado e focamos em fortalecer isso, como o desenvolvimento de produtos, mercados, pessoas, treinamentos e o planejamento logístico”, explicou João. Uma das grandes melhorias foi a profissionalização da estrutura e equipe, o que preparou a empresa para o crescimento. “Fizemos uma pesquisa do que os grandes líderes mundiais faziam para desenvolver as pessoas e o que poderia ser adequado a nossa realidade. Foi um projeto que levou 2 anos mas traz benefícios até hoje. Inclusive, tivemos visitas de empresas de outros países que ouviram falar das nossas ferramentas de gestão e vieram pra conhecer”.

Com matriz na cidade de Louveira, interior de SP, a Walsywa conta com mais três filiais: Piçarras /SC, Camanducaia/MG e Jabotoão/PE. Possui 35 famílias de produtos e comercializa mais de 30 milhões de fixadores por mês, sendo que sua atividade é mista: possui produtos de fabricação própria e importados. “Nós já tivemos fábrica de chumbadores, pinos e parafusos. Mas hoje não tem como competir com o mercado de importação”, comentou Schrott. Conta com 100 colaboradores, uma equipe externa de 80 pessoas e mais de 6 mil clientes ativos em carteira, que vão desde indústrias a construtoras, lojistas e revendas. Ainda, segundo o diretor, a Walsywa foi a primeira empresa brasileira de fixação a fazer parte do Green Building – empresa que fomenta a indústria de construção sustentável no Brasil. Também é certificada pelo ETA (Electronics Technicians Association), órgão referência mundial em atestar produtos.

 

Inovação e Investimentos

A empresa se considera uma das referências mais fortes no mercado no que diz à inovação. O seu plano, que é trienal, prevê investimento entre R$ 1 e R$ 2 milhões em desenvolvimento global. Entre seus grandes feitos estão a implantação de um sistema para pedido remoto, aumento de 140 itens da linha de produtos inox, lançamento de um aplicativo para especificação de chumbador químico, investimentos em acessórios para ferramentaria e a ampliação de 2 mil m² da unidade de Santa Catarina.

Ainda, no final de 2014, anunciou o lançamento de um novo produto que substitui a abraçadeira para tubulação. Trata-se do suporte com trava, uma espécie de “garra” que promete otimizar tempo e facilitar a instalação. “O tempo de instalação foi reduzido para um terço do convencional, além de ser um sistema reutilizável e adaptável. Possui limite de peso de 25Kg”, descreveu Schrott. Para 2015, o diretor planeja fazer uma reforma na matriz em Louveira e lançar algumas novidades dentro da fixação à gás, componentes e acessórios.  

Como conquistar mercado

Um dos diferenciais da Walsywa é seu empenho em fornecer materiais de apoio para os clientes. Entre eles estão a criação de aplicativos, selos e vídeos que têm função de orientar sobre os produtos da empresa, pois um dos desafios mais mencionados por Schrott é o cliente entender onde e para que o produto serve. “Criamos um sistema de selo em 2014, chamado selo VOC – Composto Orgânico Volátil. Nos baseamos na ideia das etiquetas de consumo de energia de eletrodomésticos, pois são didáticos. Logo, o selo é a garantia da quantidade controlada do composto e, de acordo com a sua especificação, tomar os devidos cuidados. Seria interessante, inclusive, se todas as empresas usassem, pois faria o mercado crescer – além de contribuir para o uso de certificações para os produtos”, finalizou.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com