Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 50
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
25/03/2015 03h59

 Editorial

 

“Falhe conosco”

  Contando a partir do ano 2000, início deste milênio que já queimou 15%, o acesso à internet ainda era algo infinitamente menor que hoje e demandava muitos custos para pouco conteúdo, sobretudo no Brasil.

Websites no formato de catálogos eletrônicos ainda pareciam um luxo, mas muitas empresas entenderam sua utilidade e, de certa forma, uma obrigação, afinal qualquer “fundo de quintal” já se apresentava com êxito devido à boa exposição. Imagem é tudo.

Faltando menos de cinco anos para o ano 2020 – número que parece título de filme de ficção científica – não é raro encontrarmos empresas gerindo seus catálogos na internet como “no tempo das diligências”. Muitos falam da história, da qualidade, da seriedade, mas não informam o óbvio como “o que elas são e o que fazem”, “se são fabricantes e/ou revendedores, que produtos têm etc.”.

Se uma empresa existe é porque ela faz algo para servir alguém. Para isso ela tem que ser lembrada, não bastando só entregar um cartão de visitas e esperar milagres. É necessário ir onde o cliente está, continuamente, ter uma sede bem apresentada da recepção ao WC/vestiário, material de divulgação impresso e eletrônico. Enfim, para sobreviver é necessário o óbvio. Quem quer mais tem que ser arrojado. Quem ficar parado, ganha um caixão.

Entramos neste tema porque o setor de fixação tem, quando tem, muitas aberrações em comunicação. Curiosamente, na região sul do País é mais fácil encontrar boas ações de comunicação, sites bem objetivos, materiais impressos, propaganda em mídias, presença em feiras e outros eventos. A turma da Ásia não fica nem um pouco atrás, com seus sites bilíngues e muita objetividade, seja em máquinas, fixadores ou serviços.

Ao finalizarmos esta nossa 50ª edição, desejamos que muito antes da edição número 100 nossas observações tenham ajudado aqueles que ainda nutrem carinho por suas empresas, e façam na prática pelo menos o óbvio. Afinal, temos boas dicas sobre o tema internet em nossa Entrevista, com o especialista em websites, Wagner Yumoto, da Y2 Design.

 

 

Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com