Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 46
Busca::..
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
31/07/2014 11h51

Editorial

 

Reshoring: o caminho de volta

 

Em nossas páginas temos a colaboração de diversos parceiros, entre eles o Mike McNulty (EUA), do América News. Mike é o editor da revista Fastener Technology International, que em sua edição fevereiro/março de 2014 uma parte de seu editorial abordou “Reshoring”, expressão criada para uma inciativa que é como um antídoto para “Offshoring” que é o modelo de realocação de processos de negócios de um país para outro. Ou seja, vender “aqui” o que é feito “lá”.

A internacionalização de negócios é algo antigo e irreversível, mas no Brasil, nossa perda de competitividade, pelo menos em parafusos, não está no fato de outros poderem fazer melhor do que nós, e sim na nossa alta capacidade de fazer besteiras.

Harry Moser, criador do Reshoring Initiative (www.reshorenow.org), lidera esta iniciativa industrial, criada em 2010, visando repatriar produção e empregos aos EUA por meio da exposição de estudos que indicam as vantagens. Algumas empresas reconhecem que ações offshore já não estão assim tão animadoras quando consideraram os custos envolvidos, logísticos, controles, riscos com propriedade intelectual e outros. Os efeitos já se refletem no repatriamento da produção de empresas como a NCR e a General Eletric.

Talvez isso ainda seja algo inalcançável para produtos de menor valor agregado, como fixadores, mas isso pode indicar um começo, embora saibamos que a economia norte-americana é muito mais versátil e racional que a nossa.

 

A Espera de um Milagre

Na última feira da Mecânica, uma das matérias desta edição, poucos fabricantes de fixadores estavam expondo. Ali, sem parafusos nada se faz. Ações de promoção à distância por meio de propaganda, exposição e outros é algo sub utilizado por parafuseiros brasileiros. Lembrando, o nome original do filme “A Espera de um Milagre” (EUA, 1996) é Green Mile, ou Milha Verde, que é aquela que levava os prisioneiros para a execução. Ficar só esperando um milagre é um perigo.

 

 

Boa leitura!
Sérgio Milatias

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com