Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 46
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Notas
31/07/2014 11h26

 Notas

 

CSN entra no mercado de fio-máquina    

 

Quarta maior produtora de aço no Brasil, a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), busca maior participação no mercado nacional através da produção de aços longos. Sua meta é obter, ainda em 2014, 9% do mercado de vergalhões no país, com produção de 4,5 milhões de toneladas anuais, segundo declarou ao jornal Valor Econômico, em junho último, o diretor-executivo da CSN, Luiz Fernando Martinez. Aços longos atende diversos setores, como a construção civil, ferrovias e fio-máquina para produção de parafusos, pregos, clipes, cercas e outros.

Essa nova fase demandou investimentos, entre eles foram R$ 1,6 bilhão para a unidade de Volta Redonda (RJ), estabelecendo capacidade de produção de 500 mil toneladas, 400 mil de vergalhões e 100 mil de fio-máquina. A aposta da siderúrgica é na utilização da sua já formada rede de clientes na distribuição de outros produtos, incluindo as vendas do aço longo.

Quanto à concorrência, ela terá à frente tradicionais players como a Gerdau, ArcelorMittal, Votorantim e a Sinobrás além de aços importados.  

Em busca de agentes de vendas no Brasil  

 

A norte-americana Crossroad Distributor Source (www.crossroaddistributorsource.com) é distribuidora dos produtos PowerCoil e Loksert, sistemas de inserto em filetes, que está em busca de representantes no país.

“No Brasil buscamos recrutar agentes para vendas locais e na América do Sul; estabelecer uma distribuição exclusiva no país, especialmente nos mercados automotivos e OEM, além de atender a rede nacional de distribuidores de fixadores metálicos”, comentou Scott Campbell, executivo da empresa.

Para mais informações, os contato serão diretamente com Scott Campbell através do telefone 317-723-5459 ou email scampbell@crossroad.bz.

 

Anco Parafusos está de casa nova  

Próxima de completar 10 anos, em 2015, a revenda amazonense de Anco já está de casa nova, uma sede onde dispõe de 50 m² somente para o showroom.

As novas dependências da Avenida Urucará, 825 a, fica no mesmo bairro da antiga sede, Cachoeirinha, Manaus, onde a clientela do balcão poderá encontrar mais conforto.

“Os investimentos também se estenderam para a telefonia, com sistema digitronco de 10 linhas, implantação de nobreak para situações de falta de energia elétrica”, comentou Analú Alves, diretora.  

 

Adesivo líquido torna selagem de parafusos mais segura  

 

Líder global em adesivos, selantes e tratamento de superfícies, a Henkel traz em seu portfólio o Trava Roscas Líquido Loctite, ideal para utilização em carros ou em lugares que exigem uma selagem mais efetiva entre porca e parafuso ou furo-cego e parafuso.

Desenvolvido pela Henkel, esse adesivo líquido de mono- componente preenche completamente as folgas entre as roscas. Ao entrar em contato com o metal e na ausência de ar, o produto cura e se transforma num plástico termoestático, resistente e sólido. O Trava Roscas Líquido Loctite cria uma conexão interfacial e se funde na rugosidade da superfície, evitando qualquer movimento das roscas.

O adesivo pode ser aplicado manualmente ou com auxílio de equipamentos de aplicação/dosagem especiais. Uma aplicação adequada do Trava Roscas Loctite depende de parâmetros como tamanho da rosca, viscosidade do adesivo e geometria das peças.

Em peças com grandes dimensões, a aplicação do produto em ambas as faces garante a confiabilidade necessária para aderência total. Com roscas de furo cego, é essencial que o adesivo seja aplicado no fundo do furo. A quantidade deve ser tal que, após a montagem, o adesivo deslocado preencha o comprimento total da rosca.

“É importante que o comprimento total da rosca esteja em contato com o produto e que não haja restrições à cura do adesivo, como, por exemplo, contaminação por óleos ou sistemas de limpeza que impedem ou evitam completamente a cura de adesivos anaeróbicos”, destaca Sérgio Redondo, Gerente de Negócios da Henkel para a América Latina.

Dessa maneira, um eventual problema de afrouxamento pode ser solucionado em sua origem: nas roscas ou nos pontos de fixação. Esta é a razão pela qual os adesivos trava rosca Loctite estão entre os meios mais eficientes de travamento dos elementos de fixação.  

 

Cursos da ABTS

(Associação Brasileira de Tratamento de Superfície)

•13 de agosto Curso de Gerenciamento de Riscos Ocupacionais e Ambientais em Tratamentos de Superfície – São Paulo, SP

•21 de agosto Curso de Cálculos de Custos em Tratamentos de Superfície – Curitiba, PR

•3 a 7 de novembro Curso de Tratamentos de Superfície – São Paulo, SP

 

Parafusos do comando de válvulas BMW geram recall  

 

A Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça (Senacon/MJ) informou em 1 de julho, último, que a BMW do Brasil Ltda. protocolou uma campanha de chamamento para verificação e substituição dos parafusos da unidade Vanos (comando de válvulas) e, caso necessário, a substituição da referida unidade nos veículos BMW Série 1, Série 3, Série 5, X1, X3, X5, X6 e Z4, todos fabricados entre outubro de 2009 e setembro de 2011.

Sobre riscos, a empresa destacou que foi constatada a possibilidade de parafusos na unidade Vanos se soltarem, causando falhas e perda de potência do motor, que poderá interromper o funcionamento e causar acidentes com danos físicos e materiais a condutores, passageiros e terceiros.

Fonte: Portal Brasil (http://www.brasil.gov.br/)  

 

Afrouxamento de parafusos da suspensão gera recall na Suzuki

 

Em meados de junho a SVB Automóveis do Brasil (Suzuki Veículos) anunciou convocação dos modelos dos modelos Jimny, produzidos entre 26/12/2012 e 27/05/2014, numa operação que envolve cerca de 2,8 mil unidades. O reparo consiste na substituição do parafuso do tirante auxiliar.

Segundo a empresa, em caso de afrouxamento o parafuso poderá gerar ruídos na suspensão e, com a utilização prolongada do veículo nesta condição, ocorrer vibração do volante de direção. Em casos de uso contínuo e extremo o parafuso pode se soltar ocasionando a diminuição da capacidade de manobra do veículo.

Para mais informações: 0800-770-3380 ou através do e-mail: faleconosco@svb.com.br.  

 

Fastener Fair Brasil 2014 anuncia simpósio de tecnologia  

 

Programada para novembro próximo, em São Paulo, a Fastener Fair Brasil (FFB) – feira de negócios do setor de produtos e serviços para sistemas de fixação – anunciou lista parcial de palestrantes do 3º Simpósio Técnico.  

 

“A que se propõem os Parafusos e como utilizá-los num moderno parque industrial”

Por Dr. Roberto Garcia, consultor técnico, mestre e doutor pela UNESP

 

 

 

“A galvanização a fogo aumentando a vida útil dos fixadores em aço”

Por Paulo Sobrinho, coordenador técnico do Instituto de Metais Não Ferrosos – ICZ  

 

 

“Susceptibilidade a fragilização por hidrogênio em fixadores de alta resistência”

Por Hilário Vassoler, diretor da Fosfer/Metalfast (serviços de tratamento de superfície)  

 

 

 

“Sistema de microcamadas de proteção a corrosão: mistura de tecnologias da Dörken MKS – uma tecnologia para todas as necessidades”

Por Dr. Martin Welp, da Dörken MKS Systeme GmbH & Co. KG (produtos para tratamento de superfície)  

 

 

 

 

 “Indicadores de desempenho para a gestão da empresa”

Por Ronaldo de Fávero – consultor  

 

 

 

 Em altas temperaturas, parafusos de cerâmica são superiores aos feitos de aço  

Um sistema recentemente desenvolvido por alemães permite avaliação precisa da capacidade de carga dos parafusos confeccionados em cerâmica, o que lhes confere potencial para uso em diversas aplicações, sejam elas odontológicas, médicas ou no campo industrial de alta performance.

Parafusos de metais convencionais podem sofrer profundas alterações em suas propriedades mecânicas quando submetidos a níveis superiores a 500 graus Celsius, enquanto os parafusos cerâmicos suportam temperaturas acima de 1.000 graus. Um exemplo disso são os fornos industriais, que têm uma base muito ampla de sua estrutura feita com itens a partir da cerâmica. Podemos ir mais além, ao espaço sideral, ou melhor, no retorno dele, afinal o sucesso das viagens da Nasa (Agência Espacial Norte-Americana) via ônibus espacial dependiam muito de suas blindagens térmicas para resistir as altas temperaturas no reingresso em nossa atmosfera. Lembrando, um dos acidentes fatais, ja no final da era do ônibus espacial, em fevereiro de 2003, ocorreu justamente pela rompimento involuntário dessa blindagem, que desencadeou o pior com o Columbia.

“Como é o material mais fraco que limita a aplicação, a temperatura não pode ser mais alta do que os parafusos podem tolerar. Com parafusos de cerâmica, poderemos dar um salto tecnológico rumo a soluções totalmente em cerâmicas”, explicou o doutor Christof Koplin, do Instituto Fraunhofer de Mecânica dos Materiais, Alemanha.

O problema é que, até agora, a indústria tem sido cética com os parafusos de cerâmica porque cerâmicas   são notoriamente quebradiças, embora algumas tenham capacidade de suporte de carga próxima ao aço, tão logo o material é processado na forma de parafuso e calcula-se que apenas cerca de 10 a 20 por cento da resistência original seja mantida.

A equipe do Dr. Koplin está dando um importante passo para solucionar essas deficiências. Eles otimizaram o processo de fabricação, em parafusos pequenos, de modo que não ocorram trincas na peça em nenhuma das etapas da fabricação desses “ceramics fasteners”. A composição da cerâmica é o fator decisivo - se os minúsculos grãos que compõem a substância se ligam incorretamente durante a fabricação, pequenas fissuras podem se desenvolver, fazendo o parafuso quebrar a uma carga menor do que a prevista. “Fomos capazes de reduzir significativamente a faixa da curva de distribuição [dos grânulos] e, assim, aumentar a resistência ao estresse dos parafusos”, disse Koplin. Os resultados mostraram que a capacidade de carga desses superam a capacidade dos parafusos de aço entre 30% e 35%.

“Isso já seria o suficiente para muitas aplicações se o parafuso fosse um pouco maior”, disse Koplin. Segundo ele, a melhoria que falta, e que permitirá a fabricação de parafusos de dimensões superiores, poderá ser obtida na última etapa do processo de fabricação, na qual os parafusos recebem a rosca, o que poderá ser feito pela moldagem por injeção ou por desbaste.

Fonte: Revista Inovação Tecnológica (29/05/2014) www.inovacaotecnologica.com.br

 

Clipes para melhor fixação é uma das soluções no recall do Ford Fiesta

 

A Ford realiza desde o início de julho um recall envolvendo mais 176 mil unidades do Fiesta Rocam (hatch e sedã, modelos nacionais) devido a possibilidade de ruptura na válvula do sistema de freios, que atinge o servo freio e pode reduzir a capacidade de frenagem. Ela garante que não há risco na perda total da frenagem, mas não estão descartados riscos de acidentes.

Na manutenção incluem a substituição da válvula e do tubo do hidro vácuo, além da instalação de dois clipes para fixar melhor a nova tubulação.

As unidades envolvidas têm numeração de chassis de 8409918 e 8119544, fabricados entre 1º de outubro de 2012 e 10 de junho de 2014.

Para mais informações: 0800-703-3673.  

 

Senafor 2014 anuncia presença de Mathias Liewald  

 

 

 

Professor e doutor pelo instituto de conformação de metais da universidade de Stuttgart, Alemanha, Mathias Liewald estará entre os palestrantes do Senafor 2014, em outubro próximo, em Porto Alegre, RS.

Liewald apresentará uma pesquisa feita ao longo do processo de fluxo para a fabricação de componentes leves ocos.

Para mais informações: senafor@senafor.com.  

   

 

 

Falha em torque de parafusos causam recall no Hyundai ix35  

Desde a primeira semana de junho de 2014, a Hyundai Motor Company e a CAOA Montadora de Veículos deram início a operação de recall do SUV importado ix35 devido a problemas na fixação nos airbags. A convocação se tornou necessária para inspeção do torque nos parafusos do airbag situado no lado do condutor (motorista).

Devido ao aperto inadequado, ao longo do tempo os fixadores podem se soltar e comprometer a segurança do motorista. A chamada envolve apenas os modelos importados da Coréia, produzidos entre 03 de janeiro de 2011 a 23 de maio de 2013. No entanto, esta versão do ix35 também está sendo produzida pela CAOA, na unidade industrial de Anápolis, Goiás, mas não se incluem neste recall.

Informações: www.hyundai-motor.com.br/recalls.php  

 

 

Smile, please: japoneses inovam  

 

Texto publicado no portal de rádio Voz da Rússia (http://portuguese.ruvr.ru/) apresentou, neste ano, uma forma diferenciada de fenda.

Na onda de ícones de tecnologia, o estúdio japonês Yumakano (http://yumakano.com) criou uma nova fenda em um parafuso auto atarraxante formando uma carinha sorridente. O fixador, que necessita de uma chave especial, entrou no catálogo da Komuro, que fabrica cerca de 700 milhões de parafusos anuais.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com