Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 20
Busca::..
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fundamentos do marketing
28/02/2010 01h58

Demanda X Política
"Marketing é a arte de satisfazer os desejos e as necessidade do consumidor em uma relação de troca com vantagem mútua, num ambiente onde haja demanda"- Philip Kotler


Sou incansável em repetir a frase acima, utilizando-a como ponto de partida para análise mercadológica. É notório que o Brasil passa por um período de grande demanda por máquinas e equipamentos que faz crescer os olhos de fornecedores do mundo inteiro.

Também não é novidade que a China sabe muito bem como aproveitar oportunidades de negócio como as que o nosso País oferece.
O que me preocupa neste momento é identificar quem são os personagens da tal “mutualidade vantajosa”, definida por Kotler quando trata de “relação de troca com vantagem mútua”.

Segundo afirma o empresário Mário Bernardini, assessor econômico da presidência da ABIMAQ – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos –, em recente reportagem do jornal Estado de São Paulo, estamos em um processo avançado de “commoditização” da indústria brasileira, o que significa desindustrialização.

Sou do tempo em que a substituição de produtos importados era, além de uma Política de Estado, um orgulho para o cidadão brasileiro. O setor de máquinas e equipamentos, que já ostentou a 5ª posição no ranking mundial, está em 15º lugar e corre ladeira abaixo. A se perenizar este processo, continuaremos a elevar o PIB – Produto Interno Bruto – com base em commodities até o dia em que um país, africano ou asiático (com potencial de produção de commodities), nos supere lastreado pelo capital internacional.

Neste dia, nossa indústria estará sucateada, não haverá mais oferta e demanda, e nem emprego no setor. Pode parecer exagerado e apocalíptico, mas sob a visão microeconômica, o caos já está instalado em várias indústrias de diversos segmentos. O mercado, sob a ótica de marketing está inserido no contexto macro-econômico e sofre influência direta da Política de Estado que, por sua vez, é dependente da Política de Governo. É legítimo e providencial que os dirigentes industriais se atentem intensamente à questão econômica como ambiente de marketing. O processo de desindustrialização instalado no Brasil me assusta. Reverter este processo é premente e se faz necessário.

Hans Müller é sócio-diretor da White Oak Marketing

hans@whiteoak.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com