Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 42
Busca::..
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Persona
25/11/2013 11h58

Persona

 

SINPA – Retrospectiva 2013 e Perspectivas 2014

 

De maneira geral, podemos considerar que, ao final de 2013, o setor terá performance no mesmo nível de 2012, a despeito de todas as dificuldades que se apresentaram para o setor industrial como um todo e, por consequência, também para o nosso mercado de elementos de fixação:

• PIB com crescimento da ordem de 2,5% (bem menor do que o desejado)
• Inflação muito próxima do limite máximo da banda (5,95%)
• Aumento de custos dos insumos decorrentes da inflação e aumento da mão de obra acima da inflação sem a contra partida de aumento de produtividade
• Câmbio depreciado facilitando a importação e dificultando a exportação
• Economias da Europa e Estados Unidos ainda em fase de recuperação

É perfeitamente compreensível que todos esses obstáculos impedem a recuperação da competitividade na velocidade necessária.

No entanto, devemos reconhecer que algumas intervenções pontuais feitas pelo governo, reconhecendo e atendendo veementes apelos das indústrias de transformação, como a desoneração da folha de pagamento, redução dos juros durante boa parte do ano, redução do custo de energia elétrica, maior fiscalização visando coibir ilícitos nas importações, reduções temporárias de IPI para alguns setores e o programa Inovar-Auto vieram atenuar as dificuldades, propiciando para o setor um ano de 2013 razoável.

Como perspectivas para 2014, podemos citar:

• A indústria automobilística confirmou investimentos já anteriormente informados da ordem de 60 bilhões de reais para até 2017, tanto dos novos entrantes como dos aqui já instalados, elevando a capacidade instalada para 5,7 a 6,0 milhões de unidades/ ano, investimentos respaldados pelo potencial do mercado interno e também pelas intervenções pontuais do governo (Inovar-Auto, reduções temporárias de IPI, estimulo às exportações)
• Previsão de novos recordes da agroindústria
• O governo sinaliza que continuará implementando atuações no sentido de manter controle rígido da inflação e desonerações pontuais da economia (sempre conforme pleitos tecnicamente fundamentados dos setores organizados da economia)
• Investimentos significativos e necessários nas obras de infraestrutura, reduzindo os custos de logísticas, etc

À luz desse cenário, podemos esperar, para 2014, crescimento modesto da ordem de 2,5%, porém com maior sustentabilidade, criando condições para crescimentos contínuos para os próximos anos em patamares próximos a 3% ao ano.

Para finalizar, posso assegurar que a diretoria do SINPA continuará trabalhando focada para que o setor de elementos de fixação tenha representatividade plena junto tanto aos órgãos governamentais quanto aos demais setores da economia, defendendo os justos interesses do setor para garantir segurança nos contínuos investimentos e a busca da necessária competitividade global.

José Gianesi Sobrinho
Presidente do Sindicato Nacional da Industria de Parafusos - SINPA
sinpa@sinpa.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com