Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 42
Busca::..
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Gestão & Negócios
25/11/2013 11h59

Gestão & Negócios

 

Roubar é feio?

 

Aos 12 anos, eu ia, com certa freqüência, num parque de diversões próximo à minha casa. Passava lá todos os dias no caminho de volta da escola. Atirar bolas de meia com uma bazuca contra uma pilha de latas de óleo era divertido. Durante a semana, o parque estava sempre vazio, e o funcionário que tomava conta da bazuca vivia num tédio de dar dó. Quando eu chegava, ele sorria de felicidade e já me dava três bolas por um cruzeiro que era deixado em cima do balcão. Eu derrubava as latas e, quando o rapaz ia arrumá-las, posicionava-se de costas para mim. Eu roubava o dinheiro deixado no balcão ao alcance de minhas mãos e pagava, com o mesmo dinheiro, por mais três tiros. A operação se realizava diversas vezes seguidas até que desse o horário de ir para casa. Diversas vezes, comentei com os meus pais ter brincado no parque, até que meu pai perguntou: “de onde você arruma dinheiro para pagar”? Gaguejei. De pronto, ele disse: “vamos até o parque que quero entender o que está acontecendo”. Questionado, o funcionário do parque disse ao meu pai que sabia que eu roubava o dinheiro para jogar várias vezes, mas que ele não se importava, pois o parque vivia vazio e eu não lhe causava prejuízo algum. Meu pai disse: “não há roubo que não cause prejuízos; vou lhe pagar o que meu filho deve, e ele, além de ser castigado, nunca mais voltará aqui”. Bem, vou poupar o leitor dos detalhes sórdidos da surra que ganhei. Hoje, estou fora da moda, nunca fui alvo de reportagens e não há capa de revista com minha foto. Estou fora do mercado da corrupção que, segundo estudo de 2008 da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), movimenta R$ 69 bilhões, ou seja, 2,3% do PIB. Não atuo com fraudes eletrônicas contra bancos, um mercado de R$ 1,5 bilhão/ano, nem no nicho de assaltos a bancos e explosões de caixas eletrônicos, cujo faturamento anual é de apenas R$ 80 milhões. Resolvi roubar descaradamente como forma de protesto. Estou aqui, sem qualquer máscara, roubando seu tempo e sua atenção nesta leitura. O Estado Democrático de Direito por certo concederá, a todos os leitores desta coluna, o direito de me processarem. De pronto, aviso: entrarei com recursos até chegar ao Supremo Tribunal Federal. Quem sabe ainda conquisto os cinco minutos de fama a que tenho direito.

Hans Müller é sócio-diretor da White Oak Marketing
hans@wocs.com.br

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com