Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 41
Busca::..
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Case
19/09/2013 11h35

 Case

 
 

 

Cifal-Lamons

 Transição na gestão para se tornar a multinacional mais completa em linhas de fixadores e juntas de vedação

    

A aquisição pelo grupo norte-americano tem como objetivo alcançar a liderança de mercado e expandir sua atuação no Brasil
 

Para entender a história de sucesso da Cifal (Companhia Industrial de Fixadores e Afins Ltda.) e compreender o caminho que a empresa está traçando para conquistar cada vez mais espaço no fornecimento de elementos de fixação, é preciso voltar no tempo. 

No começo, os fundadores e amigos, Sílvio Sibioni, Sérgio Prates e Servo Junior se uniram em um projeto próprio, apoiados por suas largas experiências no setor, tanto na produção quanto na administração e comercialização. Ainda funcionários, eles perceberam carências em indústrias qualificadas e confiáveis nesse segmento. Em 2001 nasceu a Cifal Industrial e Comercial Ltda., com a missão deproduzir e fornecer com eficiência parafusos, porcas, prisioneiros, arruelas, chumbadores, barras roscadas, estojose peças especiais, tudo com qualidade garantida e prazos estabelecidos e cumpridos. Após mais de uma década de atuação, a empresa conquistou o reconhecimento nacional, principalmente no mercado Oil & Gas, setor em que tem sua mais forte atuação. Em abril de 2011, ao completar 10 anos – a empresa que havia começado num galpão de 100 metros quadrados, produzindo 15 toneladas por mês – mudou-se para a recém-construída fábrica na zona leste da capital paulistana, há poucos minutos do estádio do Corinthians, que abrirá a próxima Copa do Mundo de futebol. A novíssima planta possui 12 mil m², sendo 6mil de área construída, expandindo vertiginosamente seu tamanho original, assim como ocorreu com sua produção, hoje em 200 toneladas/mês. 

Nova gestão 

Em julho de 2012, a Cifal foi incorporada à Lamons, empresa norte-americana pertencente à TriMas Corporation. Com essa ação, a Lamons deu um novo passo em sua expansão global. Uma amostra disso é a recente aquisição da Gasket Vedações Técnicas Ltda., empresa localizada no Rio de Janeiro,reconhecida fabricante de juntas de vedação.“A Lamons é mundialmente conhecida por sua atuação em vedações. Há alguns anos, em contatos com clientes, ela percebeu que poderia fornecero ‘pacote completo’, ou seja, fornecer juntas e fixadores. No Brasil isso não foi diferente, sendo que a unidade carioca, que está recebendo robustos investimentos e melhorias, continuará na produção de juntas, implementando o fornecimento de fixadores dentro do mercado local, cabendo à unidade paulista, Cifal-Lamons, a produção de sua ampla linha de  elementos de fixação industrial, com espaço também para produção e venda de juntas a partir de 2014”, comentou o gerente de Negócios, Adelson Machado. Como a reputação da empresa é muito forte em Oil & Gas, seus planos se mostram audaciosos, já que ainda neste semestre será inaugurada em Camaçari na Bahia, uma nova unidade industrial da Gasket, que terá produção mista: parafusos e juntas. É esse o cenário que a empresa vivencia hoje e que a torna um exemplo de sucesso, sob o atento acompanhamento do seu presidente mundial, Kurt Allen, monitorando tudo através do gerente de negóciosdas plantas industriais no Brasil, Marcelo Turco. 

Lamons no Brasil e no mundo

O entusiasmo da empresa com o forte investimento brasileiro em toda a cadeia de suprimento na produção de gás e petróleo é nítido. Com seu headquarter em Houston no Texas, a Lamons é uma das maiores fornecedoras de juntas de vedação mundial, com 74 anos de atuação. Desse total, há 15 se tornou um player mundial na produção de fixadores.Também está presente em 16 cidades norte americanas, além de possuir plantas industriais no Canadá, China, Espanha, Holanda, Índia, Reino Unido, Singapura, Tailândia e representações em muitos outros países, o grupo produz itens de alto valor agregado, destinados a plataformas marítimas, refinarias petrolíferas, indústrias petroquímicas, geração de energia elétrica, eólica, papel e celulose. 

Inovação

Lançado em 2012 na “Rio Oil & Gas Expo and Conference”, feira de negócios, o SPC4, conhecido como Parafuso Inteligente, já é uma realidade no Brasil. Com produção recém-implantada na unidade paulistana, o artefato possui um pino interno controlador do escoamento. Segundo o gerentede negócios, 90% das vezes em que juntas parafusadas apresentam problemas, isso ocorre devido a aplicações incorretas dos parafusos. “A Lamons recebeu uma premiação da DOW Química no exterior por conta dessa inovação, em que reduzimos em mais de 400% as paradas de funcionamento das plantas”, comemora o gerente. A empresa oferece um treinamento, sem custo, para engenheiros, técnicos, supervisores e profissionais correlatos, a fim de fornecer maior conhecimento em especificação e instalação de juntas de vedação. Nele, os participantes têm acesso às mais avançadas tecnologias de engenharia em vedação: juntas não-metálicas, semi-metálicas, metálicas e fixadores inteligentes (SPC4), podem observar na prática os diferenciais técnicos entre tipos de juntas, e desenvolvem um senso crítico sobre confiabilidade e produtividade que poderão obter desses produtos. O treinamento, com duração de duas horas, pode ser realizado também in loco, com a utilização de áudio visual, personalizado (FADU), sob a coordenação do engenheiro Raphael Medeiros (foto, acima). 

Novos mercados 

 

 

Para manter uma atuação saudável, a diversificação via novos mercados é uma meta, entre elas estão os setores automotivo e agrícola, sobretudo em peças de grande porte, forjadas a quente, além do segmento de mineração. “Inicialmente isso poderá ocorrer na reposição das peças. Hoje temos capacidade para investir em máquinas diferenciadas, como prensas automáticas para a produção de porcas”, conclui.

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com