Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 41
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Gestão e Negócio
19/09/2013 11h39

GESTÃO & NEGÓCIOS

 

Governo ou circo?
 
 
 
Quando se compara um governo a um circo a primeira imagem que vem na cabeça das pessoas é a do palhaço. Uns imaginam um palhaço alegre, outros imaginam um palhaço triste. Eu, particularmente, não vejo graça nessa analogia e, mesmo que visse, não ousaria publicar.
 
O circense clássico é aquele que equilibra pratos na ponta de uma vara e assim vejo a atuação do Governo. A diferença é que no circo equilibram-se 10 ou 12 pratos após anos de treino; no Governo os pratos vão se quebrando um a um e a culpa é sempre da platéia. 
 
Girar pratos requer atenção e conhecimento; esta arte não admite imperícia, negligência e muito menos imprudência. Exige técnica, planejamento e disciplina. 
 
A regra é manter os pratos girando em harmonia e dar-lhes novo impulso de tempos em tempos. O picadeiro, as varas e os pratos têm preparo especial. O artista circense tem o treinamento e a responsabilidade. Ele sabe que se um prato cair colocará em risco o prestígio do circo e poderá até perder o emprego. 
 
No Governo, quando um funcionário deixa um prato cair, ele é transferido. Seria como se no circo o equilibrista fosse fazer as funções do domador de leões. 
 
A arte circense costumeiramente é passada de geração em geração. Quem nasce no circo não tem muita opção a não ser seguir a carreira dos parentes ascendentes. Para tal, dedicam-se desde a idade mais tenra e só assumem posição no picadeiro quando estão prontos. No Governo, os cargos são loteados baseados numa trama difícil de explicar, mas muito fácil de entender. 
 
E os mágicos? Ah, os mágicos. Nesta seara os circenses perdem de longe. Estes dão cabo de um coelho na cartola, enquanto aqueles, os próprios cartolas, dão cabo de milhões de coelhos.
 
Aos empresários, ao que me parece, só resta dar uma de urso que dança conforme a música. Afine bem os ouvidos para a música que irá tocar. O dólar sobe? Exporte. O dólar cai? Importe. 
 
Uma coisa é certa: estou torcendo para não ver o circo pegar fogo!
 
Hans Müller é sócio-diretor da White Oak Marketing
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com