Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 37
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Pelo Mundo
14/01/2013 03h09

 Pelo mundo

 
União Europeia altera medidas antidumping sobre a China
 
 
 
Conforme esperado, e relatado desde setembro de 2012 na revista Fastener + Fixing, a nova regulação confirmou a continuidade das medidas contra importações de parafusos de aço da China, mas reduziu ligeiramente os níveis tarifários. A regulação confirmou que a UE estava correta sobre a ocorrência do dumping, que causou prejuízos para os fabricantes da região.
 
A Comissão europeia recalculou os níveis tarifários nas importações dos parafusos reduzindo a tarifa de 85% para 74,1%. Tarifas aplicadas em cerca de 90 exportadores, que colaboraram com o inquérito, tiveram redução de 77,5% para 54,1%. Tarifas de oito empresas que receberam tratamento individual estão alteradas. Há uma, além do cronograma original, caso da Bulten Fasteners Ltd. (China), com tarifa zero. Isso está em vigor desde outubro. Parece pouco provável que se faça qualquer mudança significativa no padrão dessas importações. A aplicação das tarifas no início de 2009 causou desvio das importações para Taiwan e outros asiáticos. Enquanto as tarifas mais baixas propostas sobre as importações chinesas vão fechar a taxa com preço defasado, indicações de importadores são de que há pouco incentivo real para reverter as encomendas da China. Ao publicar a nova regulação, a UE parece ter cumprido suas obrigações com a OMC, sem comprometer o efeito das medidas antidumping sobre a China. Até 2014, os produtores da UE poderão, se quiserem, solicitar uma revisão da terminação que poderia resultar na extensão das medidas para mais cinco anos. Cópias da Regulação 924/2012, inclusive em português, podem ser baixadas na página L275, 10.10.12 do Diário Oficial da UE.
  

Demanda mundial de fixadores alcançará US$ 83 bilhões em 2016
 
As economias ao redor do mundo continuarão a recuperação da recessão global de 2009, segundo Freedonia, estimulando o crescimento da produção de bens duráveis , o que determina em grande parte das vendas de fixadores. Em 2011, indústrias automobilísticas foi o maior mercado de fixadores, e ele irá postar os maiores ganhos até 2016 em termos de valor. Além disso, as acelerações na produção industrial, despesas e investimentos elevarão o aumento das demandas. No entanto, a intensificação da concorrência a partir de tecnologias alternativas de fixação (tais como adesivos) irá restringir o aumento de vendas de fixadores em alguns segmentos de mercado. A região Ásia/Pacífico deverá obter ganhos mais rápidos, desde 2011 até 2016, com média de 7,4% ao ano. Esta expansão será impulsionada principalmente pelo forte mercado chinês, que continuará a avançar em ritmo rápido, apesar de moderadas taxas entre 2006-2011. A crescente demanda no mercado indiano, menor, irá complementar esses ganhos, enquanto as vendas do país subirá em ritmo mais rápido no mundo até 2016. Crescimento contínuo na fabricação de bens duráveis nestas nações, juntamente com a necessidade contínua de componentes novos e melhoramentos em infra-estrutura, estimularão grandes ganhos na demanda por fixadores. Vendas de parafusos em outras áreas em desenvolvimento geralmente avançam a um ritmo saudável. Aumentos na demanda de fixadores no mundo estão em economias altamente desenvolvidas - como EUA, Europa Ocidental e Japão - muito mais lentos do que nos países em industrialização, entre 2006 e 2011, e os ganhos em vendas na maioria das nações desenvolvidas continuarão a ser subavaliados até 2016. Uma vez que os setores de bens duráveis de fabricação nessas áreas estão maduros, haverá menos oportunidades de crescimento para fornecedores de fixadores. No entanto, as recuperações na produção de autos e das despesas de construção após um período de declínio resultará em avanços mais rápidos no mercado de fixação daqui para frente.
 
World Industrial Fasteners (publicado em 09/2012, pág. 482) está disponível por US$ 6,300 em Freedonia Group, Inc. (www.freedoniagroup.com).
 
Por Phil Matten
Editor Executivo • Revista Fastener + Fixing
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com