Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 37
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos
14/01/2013 03h11

 ARTIGOS

 

Especificação de processo produtivo por simulação computacional
 
Interação entre softwares de simulação por FEM e Redes Neurais aprimoram processos de conformação e tratamento térmico
 
Este trabalho apresenta um estudo do processo de produção de um fixador metálico, do tipo rebite, utilizado na indústria automotiva para a montagem de sistemas. O principal objetivo foi ajustar o processo produtivo do rebite até que todas as especificações técnicas fossem atendidas, sendo estas: material (SAE 1010), geometria, tolerâncias dimensionais, dureza final e tamanho de grão. O processo inicialmente utilizado para a fabricação destes rebites não vinha garantindo adequação às especificações referentes à dureza final e ao tamanho de
grão do produto, uma vez que estas características apresentavam valores acima dos especificados. Para a realização do estudo foram utilizados softwares de simulação para a conformação de metais, através do método de elementos finitos (QForm) e de redes neurais adaptativas (NeuroSolutions). Conhecendo os parâmetros que interferem nas condições finais do produto, tais como composição química do aço, o grau de deformação, temperatura e tempo de tratamento térmico, utilizou-se uma base de dados composta de várias peças conformadas a frio tratadas termicamente para redução de dureza, alimentação e simulação no software NeuroSolutions. Paralelamente, foram sugeridos diversos processos de conformação a frio para o item em estudo simulados no software Qform. Do cruzamento das informações, chegou-se a um processo produtivo que adequou todas as especificações exigidas ao rebite apenas por técnicas de simulação. No caso do processo de conformação, foi necessário adequar o diâmetro da matéria-prima e geometria da fieira de trefilação e processo de conformação. Quanto ao ciclo de tratamento térmico, conseguiu-se ainda reduzir a temperatura e tempo de ciclo, gerando uma consequente economia no processo.
 
Foi estabelecida a forma de abordagem do problema a fim de se delinear o andamento do estudo.
No processo original,iniciamos com o material SAE/ABNT 1010 normalizado de diâmetro 10,50mm, o qual é trefilado para o diâmetro de 9,80mm com ângulo de fieira de 12º total.
 
 
 
O passo seguinte é a conformação a frio realizada em etapas de corte, esquadro, cone e encabeçamento final.
 
Parte-se então para o tratamento térmico de recozimento, com a finalidade de reduzir a dureza para os parâmetros especificados. Tal tratamento é realizado a 760ºC por 90 minutos.
 
 
Na última etapa, é realizado o processo de tratamento superficial por zincagem eletrolítica, de onde se obtém o produto acabado.
 
 
Primeiramente, foram verificadas as propriedades mecânicas e metalúrgicas do item em questão, comparando- as com as propriedades especificadas. Segundo a tabela abaixo, não se consegue obter neste processo as especificações de dureza e tamanho de grão estabelecidos
para o produto.
 
 
 
 
 
Em seguida, foram nomeadas as etapas de produção, para identificar os processos que interferem nas propriedades mecânicas e metalúrgicas da peça.
 
 
Os processos indicados abaixo podem interferir na dureza final da peça.
 
 
Ao se analisar uma série de peças com diferentes materiais, geometrias e processos de conformação, tratadas termicamente em diversas temperaturas e tempos de ciclo através de RNA (Redes Neurais Adaptativas - NeuroSolutions), verificou-se que a dureza final sofreu influência principalmente do teor de carbono, teor de manganês, grau de deformação, temperatura e tempo de tratamento térmico, como mostrado no gráfico abaixo.
 
 
O gráfico de dispersão comparando a dureza real e a dureza obtida através de RNA mostra uma boa correlação entre os resultados obtidos.
 
 
A curva Deformação Total x Dureza após o tratamento térmico mostra que ocorre uma queda da dureza conforme se aumenta o grau de deformação, alcançando um valor mínimo e voltando a crescer novamente com o aumento da deformação.
 
 
Verificou-se que, no processo original, o grau de deformação adquirido na trefilação do material é baixo, pouco uniforme e praticamente se mantém após a conformação final (cerca de 0,18 a 0,20 – software QForm).
 
 
Propôs-se, então, a alterar o grau de deformação do material, conforme sugerido pelos resultados obtidos no software de RNA, dentro de um método viável no processo de conformação a frio e validado no software QForm. Entre as três propostas de conformação, a nº1 foi a que apresentou melhores condições de conformação, pois obteve uma maior uniformidade da deformação no processo de trefilação, a qual foi praticamente mantida na conformação final.
 
 
Entrando-se com os dados de material, composição química, grau de deformação conforme a Proposta 1, temperatura e tempo de tratamento térmico, os melhores resultados de dureza na simulação por RNA foram obtidos com os ciclos de 90 minutos a 650ºC e de 75 minutos a 700ºC.
 
 
Abaixo, foram comparados os resultados reais e virtuais dos diversos processos ensaiados e simulados para a peça em questão, obtendo-se os seguintes resultados: os processos 2 e 3, apesar dos bons resultados de dureza, necessitaram de uma maior mudança no ferramental de conformação, além de não atender totalmente às características geométricas exigidas.
 
 
 
 
 
Os gráficos ao lado mostram a comparação dos resultados de dureza em HRB obtidos em 24 amostras, onde se nota claramente que o novo processo reduziu sensivelmente a dureza final no corpo da peça, apesar da redução da temperatura de tratamento térmico de 760ºC para 700ºC e do tempo de ciclo de 90 para 75 minutos.
 
Além disso, a microestrutura que apresentava significativo aumento do tamanho de grão, principalmente na região de transição entre o corpo e a cabeça devido à alta diferença entre graus de deformação, apresentou
uma uniformidade maior conforme revelam as microestruturas apresentadas a seguir.
 
 
 
O perfil de microdureza mostra claramente que houve uma uniformização da dureza no processo novo em relação ao original, destacando a maior dureza na  região da cabeça, onde o grau de deformação é maior, e confirmando o comportamento da curva de dureza pelo grau de deformação obtido nos resultados das RNA.
 
 
 
 
A tabela a seguir mostra a total adequação às especificações do produto, após as alterações praticadas no procedimento de fabricação.
 
 
Conclusão:
Com a interação de duas ferramentas de simulação (Qform e NeuroSolutions) foi possível adequar e definir exatamente o processo de fabricação da peça apenas por ensaios virtuais, economizando tempo, custos de fabricação de ferramentas e de lotes pilotos.
 
Alberto Spaziani – Engenheiro de Produção
 
Carlos Alberto Pedron – Técnico em Mecatrônica
 
Carlos Roberto Jeronymo – Engenheiro de Materiais
 
Mateus Mendes de Oliveira – Engenheiro de Materiais
 
Ronald Lesley Plaut – Prof. Depto. Eng. Metalúrgica - USP
COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com