Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 37
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
14/01/2013 03h15

Editorial

 

O seu “herói”

 

O Dia do Agricultor, comemorado em 28 de julho, teve em 2012 um texto em sua homenagem publicado no jornal Folha de S. Paulo. Nele, o ex-ministro da Agricultura (janeiro/2003 a julho/2006), Roberto Rodrigues, exaltou o agricultor brasileiro como um “herói”. Rodrigues não falou diretamente que o seu “herói” acorda ao nascer do sol, antes do galo cantar etc., mas citou sua coragem, enfrentando crises e outras difi culdades do agronegócio no Brasil.

Caro leitor, você acredita que alguém acorda cedo todos os dias, enfrenta crises somente para ajudar ao próximo?

Segundo o filósofo Adam Smith (1723-1790), no livro A Riqueza das Nações, “não é da benevolência do açougueiro, padeiro ou do cervejeiro que esperamos nosso jantar, mas da consideração deles pelos seus próprios interesses”.

Se fosse uma atividade “heroica”, nenhum agricultor trocaria o cultivo de alimentos por cana para fazer etanol. Ou seja, o sujeito planta e colhe aquilo que lhe dá mais dinheiro. 

O ex-ministro apenas “viajou na maionese”, mas é natural acreditarmos que muitos desses homens públicos estejam mirando errado. Daí à compreensão de tantas coisas que não andam no Brasil em razão de uma “visão míope”. 

Aliás, no Brasil está ocorrendo uma grande expansão produtiva no campo, mas a indústria manufatureira continua à mercê do ambiente perverso e impróprio para produzir. Trata-se de um virtuoso ambiente para plantar, assim como para importar parafusos, porcas, arruelas e, por que não, do equipamento já montado e pronto para o uso. A balança comercial brasileira em 2012, com o menor superávit em 10 anos, não nos deixa mentir.

Ainda na linha dos “heróis”, está sendo construído o Museu do Trabalhador, em São Bernardo do Campo/SP. Isto cheira a demagogia e/ou miopia, sobretudo porque ser trabalhador não é ato heroico e sim quase obrigação. Quem não trabalha não sobrevive, não é uma opção.

Pelo histórico metalúrgico do Grande ABC, este museu deverá enfatizar o trabalhador no chão de fábrica. É bom mesmo já irmos criando um museu, pois poderá ser ali o único lugar onde veremos um operário uniformizado trabalhando numa prensa e, quem sabe, ao lado de um dinossauro.

 

Boa leitura e Feliz 2013!

Sérgio Milatias

milatias@revistadoparafuso.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com