Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 36
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
27/11/2012 04h39

Editorial

 

O país das jabuticabas melhorou, apesar dos
20.759.903.275.651% de inflação

 

Ao lerem esta coluna, principalmente os mais jovens, muitos talvez não saibam, em detalhes numéricos, o que vivemos entre 1980 e 1995. Neste período, o Brasil - segundo o documentário Laboratório Brasil, da TV Câmara, acumulou uma inflação de “vinte trilhões, setecentos e cinquenta e nove bilhões, novecentos e três milhões, duzentos e setenta e cinco mil e seiscentos e cinquenta e um” por cento de inflação. Nós, os mais velhos, sabíamos do ocorrido, mas não detalhadamente com estes, insanos, números.

Parece ficção, mas é de conhecimento geral que comprar um telefone era tão caro e difícil que se tornava um patrimônio, ao ponto de ser incluído como item de herança. Haviam consórcios para compra de linhas, como existe hoje para aquisição de carros, imóveis etc. O presidente da República que deixou o cargo em 1990 legou cerca de 80% de inflação ao mês. Até onde sabemos, essas coisas exóticas só existiam por aqui, como a jabuticaba, fruta genuinamente brasileira. 

A passagem acima decorre em razão das frequentes notícias sobre crise na Europa, EUA etc., onde as coisas estão difíceis. Mas será que estes quinze anos que vivemos a hiperinflação não foi pior?

Por outro lado, muitos cenários estão melhorando por aqui, mas há vários desencontros. Durante o Senafor, as forjarias alertaram – ou melhor, gritaram – que a produção industrial de automóveis e autopeças, por exemplo, aumenta, mas os componentes que ali estão não são feitos aqui devido ao “custo Brasil”. Um exemplo disso foi citado durante a palestra do diretor da indústria de ônibus Marcopolo, Antônio Martins, que compõe a equipe de Jorge Gerdau no governo Dilma Roussef. Ele citou o custo da viagem de um container entre China e Brasil, que é de 2,7 mil dólares (17 mil km). O mesmo container, ao ser transportado entre o porto de Santos - SP e a capital, chega a 2,5 mil dólares (cerca de 80 km). Assim não dá... 

Ainda bem que os novos tempos estã sendo favoráveis por aqui, com muitas obras, novos negócios, novas feiras de negócios, professores brasileiros recebendo premiações inéditas, como na seção Entrevista, novas empresas focando mais o País, como a gigante mundial Alcoa, que passa a ter uma maior atuação no mercado de fixadores. 

De nossa parte, além de criarmos uma nova seção chamada “Persona”, a novidade é que passamos a disponibilizar a Revista do Parafuso para todos usuários de tablets e smartphones (sistemas iOS e Android), e você pode baixar as edições através da Apple Store e Google Play.


Boa leitura!
Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br
 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com