Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 33
Busca::..
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Gestão & Negócios
30/07/2012 10h08

 

Gestão e Negócios

 

Inadimplente ou 171?

 

As transações comerciais, financeiras ou de serviços envolvem pessoas, empresas e governos, seja num ambiente local ou global. Estas relações são firmadas através de contratos tácitos, escritos ou tratados, e aqueles que não dão conta de honrá-los são denominados inadimplentes. 

Eventos de predição improvável podem resultar em inadimplência, mas o risco de qualquer contrato deve ser amparado por um fundo de reserva, poupança  ou até mesmo uma apólice de seguro. Sendo assim, podemos classificar a inadimplência como resultado de imperícia, imprudência ou negligência praticada  elo credor ou pelo devedor. Pelo bem da verdade, o sujeito inadimplente não deveria prosperar nem mesmo existir. 

Já o 171 é diferente. Segundo o Código Penal Brasileiro, Cap.VI, o artigo da conta que é crime: “Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, Inadimplente ou 171? em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil ou qualquer outro meio fraudulento”. O sujeito “171” é desprovido de caráter e não honra contratos. Dito isso, é desanimador imaginar que o mundo está repleto de Governos “171”, empresas “171” e pessoas “171”. Países que fraudam relatórios para obter empréstimos do FMI, empresas que fraudam seus balanços para valorizar suas ações e pessoas que acumulam carnês acima de sua capacidade de pagamento são todos “171” travestidos de inadimplentes. 

“Ser ou não ser, eis a questão”, diria Hamlet. Se fosse vivo e real, completaria: - “Há algo de podre no Reino Globalizado”. Bezerra da Silva, que se autointitulava “bom malandro”, bem retratou o fenômeno no Brasil em sua discografia. Se fosse vivo diria: - “É Ladrão Que Não Acaba Mais”, “Malandro é Malandro, Mané é Mané”, “A Coisa Mudou”, “O Vírus da Corrupção” ou “É Cocada Boa”.

 

Hans Müller é sócio-diretor da White Oak Marketing
hans@wocs.com.br

 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com