Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 29
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos - Juntas aparafusadas
28/09/2011 10h06

 Artigos

Prática em processos de aperto de juntas aparafusadas


Parte I de IV

O objetivo dos artigos é apresentar, de forma simples e prática, as principais ocorrências que podem afetar a qualidade das juntas aparafusadas,equipamentos utilizados para efetuar o aperto das mesmas e o processo de qualidade assegurada.

 

Parte I - Juntas aparafusadas e interferências devido a variáveis não controladas;


Parte II - Processos práticos para a rápida análise e solução de problemas em junts aparafusadas;


Parte III - Especificação de apertadeiras e rastreabilidade;


Parte IV - Testes de capabilidade, calibração de apertadeiras e equipamentos de auditagem;

 

JUNTAS APARAFUSADAS E INTERFERÊNCIAS DEVISO A VARIÁVEIS NÃO CONTROLADAS

                                                                                                                                                                                                 A maioria dos produtos da indústria manufatureira é dotado de parafusos para a união dos seus componentes. Associado a cada parafuso se encontram, pelo menos, dois elementos e, a este conjunto, dá-se a denominação de junta aparafusada. A correta união destes elementos é obtida por meio do processo de aperto e respectivos parâmetros especificados pela engenharia de produto, obtidos inicialmente por meio de cálculos matemáticos e, posteriormente, de ensaios no produto.

Independentemente do processo de aperto utilizado para se atingir a força de união especificada, as variáveis controladas e monitoradas são sempre indiretas (vide artigos do Dr. Roberto Garcia nas edições 7 a 10).

É sabido que o comportamento dos diversos parafusos em um mesmo produto, mesmo sendo iguais em suas características físicas, é distinto e único para cada junta que o mesmo constitui. Se avaliarmos o comportamento de diversos parafusos iguais utilizados no fechamento da carcaça de uma bomba de óleo certamente, em função da geometria dos elementos da bomba da tampa e carcaça, serão necessários diferentes processos de aperto para cada um para se obter a uniformidade da força de união desejada. Dependendo do grau de criticidade da junta pode-se ou não optar por um único processo de aperto com parâmetros idênticos para todos, entretanto existem casos onde isto não é possível.

Além do dimensionamento dos componentes da junta a ser montada, cabe ao  departamento de engenharia de produto a especificação do processo de aperto e parâmetros de controle e monitoração a serem utilizados, além de outras variáveis que possam influenciar na força de união, como velocidade de aperto, coeficiente de atrito (lubrificação se for o caso) e, inclusive, a temperatura ambiente e dos componentes da junta. Os exemplos mais claros de variação na força de união para as variáveis apresentadas são:

 

Ressalta-se que para a maioria das juntas que não são críticas, algumas das variáveis acima são incorretamente desconsideradas, entretanto, o Coeficiente de Atrito deve sempre ser considerado, principalmente quando se trata de processo de aperto por Torque e Ângulo. Isto se deve ao fato que, ocorrendo uma variação no coeficiente de atrito do parafuso (ou porca), para um determinado ângulo, ocorrerá uma variação significativa no torque final que será aplicar ao parafuso para atingi-lo. Sem estes dados é praticamente certo na ocorrência de variação na Força de União, além de ser impossível de se determinar qual equipamento deve ser especificado para efetuar o processo de aperto. É comum nos depararmos com especificações de aperto do tipo:

Aplicar Torque de 60 Nm (± 5%) + Ângulo de 90º (± 5 º), mínimo torque estático de checagem de 210 Nm.

Conhecendo o tratamento superficial e geometria do parafuso, bem como dos demais componentes da junta, é possível efetuar uma estimativa do torque final a ser atingido neste processo. Assim concluímos ser fundamental o estudo profundo das juntas aparafusadas, tanto na análise dos componentes da mesma, como do processo de montagem e aperto a ser utilizado de forma a ser obter os resultados desejados.

Embora a engenharia de produto das empresas, na maioria dos casos, já possua histórico para a especificação dos componentes das juntas e respectivos processos de montagem e aperto, somente um estudo dedicado possibilita estabelecer o correto processo de montagem para cada caso. Na maioria das vezes, isto só é efetuado nos casos de juntas críticas ou quando acontecer eventual ocorrência de problema em processos já existentes. Esta análise, denominada Advanced Fastening Technology, possibilita estabelecer o correto processo, além de conhecer e controlar as variáveis que influenciam o mesmo.

A sequência deste artigo será publicada em nossa próxima edição.


Alcides Ferrari Júnior
Gerente de Produto – Apertadeiras Múltiplas / Aplicações Especiais e QAT
Atlas Copco Tools Brasil
Físico – Universidade Mackenzie
Engenheiro Elétrico – Faculdade de
Engenharia São Paulo
alcides.ferrari@br.atlascopco.com

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com