Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 29
Busca::..
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
27/09/2011 02h07

Editorial

 

No meu sonho, o Lula é dono de uma metalúrgica

 

Empatia é a capacidade de uma pessoa saber se colocar no lugar de outra, buscando identificar sentimentos, necessidades e/ou desejos. Recentemente, tive um sonho, onde o “ex-presidente” Lula era o dono de uma indústria metalúrgica. Era uma fábrica de parafusos. Isso mesmo, Lula na condição de industrial, chegando pela manhã com um carrão grande, preto, bem bacana, blindado e com insulfilm. Um daqueles carrões importados que não tem sequer um parafuso fabricado no Brasil. Esta empresa era sua única fonte de riqueza e/ou sobrevivência.

Agora feche os olhos e imagine, estando no meu sonho, como seria interessante vê-lo numa negociação para ajuste de preços com seus clientes, ambos assombrados pelos aumentos da matéria-prima e por este autofágico “Frankenstein Tributário”, que nem ele, nem seu antecessor, foram capazes de ajustar para algo mais decente.

Seria ainda mais interessante testemunhar suas negociações com a mão de obra. Isso mesmo, os sindicatos trabalhistas. Ou então, em um momento onde teria que optar entre desligar e cobrir suas máquinas com uma lona (ou vendê-las), demitir trabalhadores, mudando para a condição de importador dos parafusos que ele mesmo deixaria de produzir, passando a importar fixadores iguais aos do carrão dele.

Bem, sabemos que Lula não está no Poder, oficialmente. Sua citação neste texto visa usá-lo como exemplo de políticos que precisam ter empatia com quem produz. Na economia de mercado quem garante o emprego é o próprio empregado, desde que ele encontre trabalho e salário para consumir. Por sua vez, na tributação fica claro que arrecadar 40% de nada é igual a nada.

Nossos mandatários falam que entendem o problema. Não parece. Como disse em certa ocasião o professor Hans Müller: “É difícil fazer um sujeito entender o que é uma furadeira, sendo que ele ainda não aprendeu o que é um furo”. A atuação da classe política é fundamental para o bem-estar de todos, por isso devem estar mais em sintonia com a realidade, para traçar e executar planos mais eficazes, como busca o Movimento Brasil Eficiente (MBE), destaque nesta edição com a entrevista de Carlos R. Schneider, atual presidente. Nela, Schneider fala dos planos e ações da entidade – que conta com pessoas ilustres, como Delfim Netto (ex-ministro da Fazenda), João Roberto Marinho (Organizações Globo), o tributarista Ives Gandra e até o cartunista Ziraldo, entre outros –, propondo saídas para elevar a eficiência no gasto público, que permita a redução da carga tributária e ampliação dos investimentos públicos e privados para a geração de mais empregos e o crescimento acelerado e consistente do país.

Boa leitura!
Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com