Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 27
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Artigos
21/06/2011 09h11

Porcas auto-travantes Spiralock obtêm êxito em teste comparativo 64

 

 

Vibrações extremas, falhas por fadiga e temperaturas elevadas, provocando falhas na junta do coletor de escape, sempre foram um problema para a Engenharia. Quando a
montagem do turbo afrouxa e se desconecta por vibração, podem ocorrer defeitos no motor e paradas não programadas. O correto uso de um elemento de fixação pode aumentar a confiabilidade dos motores industriais                                                                                     

 

Dale Gibby             

 

Por muitos anos, os fabricantes de motores tiveram sua produção limitada devido às falhas nas fixações das articulações da tubulação de descarga, coletores de escape, turbos e afins. Tais componentes são geralmente sujeitos à intensas vibrações, fadiga
severa e temperaturas extremas. Quando as porcas de fixação do turbo e das tubulações de descarga afrouxam e se desconectam o motor falha; o que leva a uma série de grandes dores de cabeça.
A norte-americana Cummins Engine Company, fabricante de motores diesel para caminhões e ônibus, encontrou uma maneira para garantir esta fixação durante o desenvolvimento de seu motor Off-Highway - Tier 3 QSX. De acordo com Dale
Gibby, Engenheiro Mecânico de Desenvolvimento da empresa, “Nossos clientes industriais muitas vezes dependem de nossos motores durante décadas. Nosso objetivo foi projetar o motor QSX para trabalhos pesados, num mundo real de confiabilidade em aplicações industriais que vão desde tratores, niveladoras, triturador de pedras,
geradores, compressores de ar, de perfuração e bombas de concreto”.

A escolha do fixador correto para aplicações robustas pode aumentar o desempenho por muito mais tempo, mesmo sob condições severas. Para garantir a confiabilidade do motor em campo, Gibby focou em garantir a integridade desta fixação no motor QSX,
apesar do ambiente no campo industrial ser severo.
Fixadores padrão (rosca 60º) foram menos do que satisfatórios devido à sua sensibilidade à vibração, distorção térmica, ao afrouxamento após ciclos térmicos e grande variabilidade na formação inicial de pré-carga.

“Evitamos adesivos e insertos de nylon, pois as altas temperaturas envolvidas poderiam queimálos”, explicou Gibby. “Também evitamos arruelas serrilhadas e roscas deformadas, porque sua concentração de tensão é uma grande preocupação
para a falha por fadiga. Arruelas serrilhadas podem causar mais problemas do que resolvê-los, se iniciarem trincas por fadiga”.

Uma arruela espaçadora e um parafuso muito longo podem causar estiramento na junta aparafusada, o que pode ajudar em algumas aplicações comuns, de acordo com Gibby. Mas, para muitos motores, incluindo o QSX, não há espaço suficiente neste pacote, de modo que esta não era uma opção.
Fixadores auto-travantes tradicionais (60º) não resolveriam um problema de projeto básico na rosca padrão 60º, que é a “folga” entre a crista dos parafusos e o “vale” da rosca interna, podendo levar ao afrouxamento do conjunto devido à vibração transversal.
Concentração de tensão e fadiga nos primeiros filetes de roscas também são problemas, juntamente com uma maior probabilidade de cisalhamento, especialmente em metais macios, devido à sua maior tendência de carga axial. As temperaturas extremas também podem expandir ou contrair as superfícies de contato destes materiais, levando ao comprometimento da integridade das juntas.
Os engenheiros da Cummins obtiveram sucesso nesses desafios, ao mesmo tempo em que conseguiram reduzir o peso do componente e ainda permitir a reutilização com
o sistema autotravante Spiralock. Esta re-engenharia da rosca interna adiciona uma rampa em forma de cunha de 30° na raiz da rosca interna, que aceita as dimensões
do parafuso padrão (60º).

Esta mesma rampa permite que o parafuso gire livremente até que a pré-carga seja atingida. As cristas do parafuso padrão são direcionadas contra a rampa de 30º Spiralock,
eliminando as folgas radiais e criando uma linha espiral contínua de contato ao longo de todo o comprimento da rosca. Esta linha contínua de contato distribui a tensão ao longo de todos os filetes envolvidos de uma maneira mais uniforme, aumentando a resistência ao afrouxamento por vibração transversal devido à melhor distribuição de carga radial, melhorando a vida à fadiga dos componentes a temperaturas extremas.


Gibby testou os fixadores auto-travantes Spiralock, um a um, contra fixadores padrão em um exaustivo Teste de Falha e Teste de Ciclos Térmicos. Este teste comparou o tempo em que as porcas em aço inoxidável (rosca padrão 60º) versus porcas em aço inoxidável Spiralock permaneciam, ambas, rigidamente fixadas nas juntas do coletor de escape
de um motor industrial QSX. Quatro porcas de cada foram testadas, com aplicação de revestimento de prata, para maior consistência da pré-carga.
Além disso, um coletor de escape foi utilizado em mais de 1.250 horas de ciclos térmicos e remoções do turbo.
O motor realizou um teste térmico “abusivo”, com ciclagem de 200°C a 760°C, a cada seis minutos. Além das enormes oscilações térmicas, o motor funcionou bem, passando em alta velocidade sem carga, de acordo com Gibby.


“Em nossos testes, nós decidimos testar ao extremo a fixação do coletor de escape, muito
mais do que qualquer cliente faria no campo”, disse Gibby. “O objetivo era proporcionar
confiança ao desempenho do motor industrial, para que ele inicie e termine o trabalho
totalmente, sem paradas não programadas”, concluiu o engenheiro.


Como o teste foi projetado para ser prático no mundo real, todas as porcas foram significativamente apertadas com carga nominal de menos 3.5 Sigma, uma medida
estatística de desvio padrão.
Gibby acrescentou: “Quando um motor industrial falha em campo, os mecânicos têm pressa para trazê-lo de volta ao serviço e retomar a produção, muitas vezes enquanto a temperatura do motor ainda está quente.
Nestas condições o mecânico não consegue medir o torque aplicado nas porcas. Queríamos um fixador confiável, projetado para funcionar em condições que nossos clientes enfrentam”.
Sob vibração extrema e ciclos térmicos, três dos quatro tipos de porcas em aço inoxidável se afrouxaram e caíram dentro de duas horas, levando à queima das articulações e paradas do motor. No entanto, as porcas Spiralock nunca se afrouxaram e ainda garantiram a integridade da junta por mais de 18 horas após a instalação. Gibby concluiu que as porcas autotravantes Spiralock suportaram tais aplicações sem problemas, onde porcas padrão foram um fracasso. O resultado é um maior desempenho e confiabilidade na performance do motor.

Dale Gibby
dale.g.gibby@cummins.com
Mechanical Development Engineer
Technical Specialist

Cummins Technical Center
www.cummins.com

Spiralock
www.spiralock.com

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com