Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 27
Busca::..
Edição 84
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Balcão
20/06/2011 05h01

 

Casa Parafuso
é referência na cidade de Santos

Loja especializada está em sua terceira geração e atende 200 pessoas por dia



Marcelo Costa (com a placa homenageando o avô), Antônio Nascimento e Fernando Costa

A cidade de Santos é reconhecida por diversos fatores: sua fundação em 1546, suas praias e por abrigar o maior terminal portuário da América Latina. É também onde está a Casa Parafuso.
Em 10 de Outubro de 1961 o senhor Rufino da Costa Filho comprou a loja e passou a viver da venda de elementos de fixação. O comércio contava com prateleiras, caixas e um funcionário, João Nascimento, um garoto com 12 anos e sobrinho do antigo proprietário.
Em 1980 Costa comprou outro prédio, ampliou seu estabelecimento e um de seus filhos se juntou ao grupo de funcionários, administrando a empresa e a Costapar, um atacadista do mesmo grupo, até 1998.
Fernando e Marcelo da Costa, netos de Rufino, assumiram os negócios e os controlam até hoje. “Tivemos quatro ou cinco vendedores. Mas os clientes começaram a comprar, além de parafusos, pacotes completos com ferramentas e outros produtos que não tínhamos”, explica Fernando.
A Costapar foi encerrada em 2000 e permaneceu a Casa Parafuso, hoje com 8x30 metros de fachada, 240m² de loja, 100m² de estoque e vendendo também ferragens, ferramentas, abrasivos e linha de Equipamentos de Proteção Individual (EPI).
São mais de 17 mil itens, aproximadamente R$700 mil em produtos estocados, sem esquecer as linhas de fi xadores. “Não adianta vender ferramenta ou máquina, que traz um valor agregado maior, e esquecer o parafuso, o coração da loja”, diz Marcelo.
Entre as marcas comercializadas estão itens de fixação da Rodafuso (parafusos e porcas de rodas), Belenus e Ciser (aço, latão e inox) e WD-40, ferramentas da Irwin, Gedore, União Mundial e abrasivos da Norton e 3M.
A loja possui 10 funcionários, telemarketing e administrativo, estacionamento e atende 200 pessoas ao dia. Sua atuação está dividida em 60% para consumidores finais e 40% para indústrias e empresas de manutenção naval e petrolífera.
Mesmo com as expansões, os Costa continuam a trabalhar em um clima familiar,  inclusive com Nascimento entre seus funcionários, hoje Gerente Geral e com 52 anos de
casa. “A Casa Parafuso é a minha vida. Comecei com o avô, passei para o filho e agora os netos”, afirma.

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com