Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 27
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Fundamentos de Marketing
20/06/2011 02h18

Operação Cupim

Cupins exercem importante papel no equilíbrio ecológico da Terra.  São os responsáveis por parte da decomposição da massa vegetal. Vivem em colônias organizadas.
Tem castas de operários, soldados e, para a reprodução, um rei e uma rainha. Anualmente, no início da estação chuvosa, ocorrem as revoadas de cupins alados, conhecidos como aleluias ou siriris. Durante este período ocorre o acasalamento e formação de novas colônias.
Nossas florestas não seriam tão pujantes não fossem os cupins. Dentro da minha casa, entretanto, luto contra eles como quem defende a vida. Em época de revoada fecho as janelas pois, sei que um casal de aleluias formarão uma colônia com milhares de cupins. Eles são sorrateiros, espertos e organizados. São capazes de “comer”, internamente, um móvel de madeira inteiro deixando uma fina casca exterior. Quando nos damos conta do prejuízo já é tarde demais.
Por analogia defendo a tese que nossa economia está sendo vítima de uma “Operação Cupim”. O Brasil está sendo devorado internamente em ritmo alarmante.
Existem lojas chinesas de presentes espalhadas pelo país há décadas; ótima estrutura de distribuição logística. Os supermercados e magazines estão abarrotados de produtos chineses e, as indústrias estão deixando de produzir para tornarem-se meras montadoras abastecidas de insumos orientais, ou seja; matéria-prima, produtos industrializados, energia e mão-de-obra.
A conta está sendo paga com commodities sem gerar os empregos necessários para os trabalhadores brasileiros. Os investimentos estrangeiros na produção estão concentrados em montadoras que facilmente podem ser desativadas
assim que cessarem os incentivos ou as demandas.
Rogo aos empresários e ao Governo, que não subestimem a “revoada do oriente”. Dos empresários, espero determinação e muito trabalho; do Governo, espero condução de política econômica, normas e leis que protejam a produção e o pleno emprego. Quem já viu a devastação que uma colônia de cupins é capaz de realizar, há de concordar; a economia brasileira corre sérios riscos de decomposição acelerada.

Hans Müller é sócio-diretor da White Oak Marketing
hans@whiteoak.com.br
 

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com