Empresa Edições on-line Fale Conosco
Edição 25
Busca::..
Edição 83
Edição 82
Edição 81
Edição 80
Edição 79
Edição 78
Edição 77
Edição 76
Edição 75
Edição 74
Edição 73
Edição 72
Edição 71
Edição 70
Edição 69
Edição 68
Edição 67
Edição 66
Edição 65
Edição 64
Edição 63
Edição 62
Edição 61
Edição 60
Edição 59
Edição 58
Edição 57
Edição 56
Edição 55
Edição 54
Edição 53
Edição 52
Edição 51
Edição 50
Edição 49
Edição 48
Edição 47
Edição 46
Edição 45
Edição 44
Edição 43
Edição 42
Edição 41
Edição 40
Edição 39
Edição 38
Edição 37
Edição 36
Edição 35
Edição 34
Edição 33
Edição 32
Edição 31
Edição 30
Edição 29
Edição 28
Edição 27
Edição 26
Edição 25
Edição 24
Edição 23
Ediçao 22
Edição 21
Edição 20
Edição 19
Edição 18
Edição 17
Edição 16
Edição 15
Edição 14
Edição 13
Edição 12
Edição 11
Edição 10
Edição 09
Edição 08
Edição 07
Edição 06
Edição 05
Edição 04
Edição 03
Edição 02
Edição 01
empresa
contato
Editorial
03/03/2011 10h49

Gestões

 

Caro leitor, quero me dirigir a todos, mais especialmente a você que é gestor, ou gestora, seja de uma empresa ou de um departamento. Que está retornando de férias e nos proporcionando uma imensa satisfação ao ler esta coluna, muito obrigado, e que esta leitura lhe seja sempre agradável e útil, pois é isso que buscamos.
Bem, voltando ao “leitor/gestor” – lembrando antes que gestor é aquele que obtém resultados através das pessoas – que, ao retornar do descanso e festejos natalinos, encontrou uma quantidade enorme de inconvenientes, atribuídos a sua ausência, conforme-se, pois a culpa é sua. Aliás, também  me incluo neste grupo.
Certa vez, durante um bate papo a noite, dentro de um clube em São Bernardo do Campo, SP, próximo às grandes montadoras de veículos, um profissional muito culto, com muitos anos de trabalho em indústria de parafusos, fez a seguinte indagação: “Serginho, a Volkswagen está fazendo carros agora, certo? O presidente [da VW] está lá?”.
É assim, ou seja, se não estamos presentes e as coisas não funcionam a culpa é nossa, não dos outros, afinal nós escolhemos, confiamos e as instruímos incorretamente.
Na semana em que escrevi este texto, lembrei de uma reportagem recente na rede Globo, sobre o norte-americano Warren Buffet, mega-investidor, bilionário. Apesar da fortuna é um homem de hábitos simples e pouca sofisticação. Um pão duro que tem grana para comprar uma montadora, mas se  recusa a comprar um carro zero km.
Segundo Buffet, seu sucesso provém da capacidade em saber lidar com as pessoas, algo que funciona muito bem com ele, afinal, como poderia ser o gestor de sucesso de tantos negócios ao mesmo tempo?
Conclusão: a resposta é buscar uma gestão eficiente, com alguém que entende do assunto e/ou nos aperfeiçoar permanentemente, estando ou não as coisas funcionando bem.
Num exemplo oposto, Carlos Alberto Parreira, técnico da Seleção Brasileira de futebol durante a Copa da Alemanha em 2006, tinha sob sua gestão técnica os melhores jogadores do mundo, mas não conseguiu extrair o melhor. Tempos depois declarou: “eles [jogadores] foram a um banquete sem fome”. Parreira, campeão com um time inferior em 1994, um homem inteligente e de educação de dar inveja, falhou, afinal foi ele quem os escolheu.
Por outro lado, a nossa Presidente da República, que tem boa reputação em gestão pública, tem em mãos um cenário inédito, com todos os ventos soprando a favor, mas, com uma infraestrutura de dar mais medo do que voar a 800 km/hora, num “Boing Conversível”.
Você que voltou de férias, sabe do que estou falando.

 


Boa leitura!
Sérgio Milatias
milatias@revistadoparafuso.com.br

 

COMPARTILHE
CONTEÚDO DA EDIÇÃO

TAGS:
revistadoparafuso@revistadoparafuso.com